PERSPECTIVA

Estaleiros da região Nordeste mantêm estabilidade de empregos até 2018

Os estaleiros do país, apesar das dificuldades que enfrentam, continuam tendo opções de demandas no mercado

editoria de Economia
editoria de Economia
Publicado em 28/06/2017 às 9:46
Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Os estaleiros do país, apesar das dificuldades que enfrentam, continuam tendo opções de demandas no mercado - FOTO: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Leitura:

Enfrentando as adversidades da recessão política e econômica que atinge o país, a indústria naval brasileira começa a demonstrar seus primeiros sinais de recuperação. Dados do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (SINAVAL) mostram que o setor de construção deve manter a estabilidade em seu número de empregos até 2018.

Segundo a entidade, os principais responsáveis por esta perspectiva positiva, mesmo que ainda tímida, são os estaleiros do Nordeste, como o Estaleiro Atlântico Sul (EAS) e o Vard Promar, de Pernambuco, que manterão a construção de navios gaseiros e petroleiros até 2018, devendo provocar leve aumento na oferta de vagas de trabalho na região. Outro fator a impulsionar o otimismo foi a divulgação do Fundo da Marinha Mercante (FMM), de que daria prioridade de financiamento de mais de R$ 3 bilhões para a empresa South American Tanker Company Navegação S.A. (SATCO) para a construção de cinco novas embarcações.

Outros pólos

Outros pólos do setor também devem manter a estabilidade no mercado de trabalho. Em Niterói (RJ), Guarujá (SP), Navegantes e Itajaí (SC), estaleiros especializados na construção de navios de apoio marítimo, plataformas de petróleo, rebocadores portuários e de reparos navais prosseguem em atividade regular, que deverá ser mantida até 2018.

Para o diretor do SINAVAL, Sérgio Bacci, os estaleiros do país, apesar das dificuldades que enfrentam, continuam tendo opções de demandas no mercado. “Há as demandas provenientes da Marinha, como a construção de navios patrulha, por exemplo. Também há o mercado de rebocadores, que pode ser melhor explorado”, afirma o executivo, que marcará presença na 14ª Marintec South America, o mais importante evento dedicado à indústria naval e offshore da América do Sul, para debater o futuro do setor com todos os players deste mercado. A Marintec 2017 será realizada de 15 a 17 de agosto, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro (RJ).

Bacci, que também é o presidente executivo da Associação Brasileira das Empresas de Construção Naval e Offshore (ABENAV), acrescenta. “Há ainda as encomendas da região Norte do país, como as barcaças de transporte de grãos, entre outros caminhos que podem ajudar a indústria naval a sair de vez desta crise”, completa.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias