Casa da Moeda

Como funciona a Casa da Moeda?

A instituição é responsável pela impressão de papel-moeda, cédulas comemorativas, selos e passaportes

Editoria de Economia
Editoria de Economia
Publicado em 25/08/2017 às 10:15
Foto: Fabio Motta/ Estadão Conteúdo
A instituição é responsável pela impressão de papel-moeda, cédulas comemorativas, selos e passaportes - FOTO: Foto: Fabio Motta/ Estadão Conteúdo
Leitura:

A Casa da Moeda é uma empresa pública que imprime papel-moeda e produz moedas desde 1694– quando o ciclo do ouro e a aceleração do comércio fizeram Portugal julgar necessário o Brasil ter seu próprio dinheiro.

Ela só perde em idade para os Correios, que existem desde 1663. Na quarta-feira (23), o governo anunciou que quer inserir a estatal, que é vinculada ao Ministério da Fazenda, no pacote de privatizações.

A empresa teve um resultado de R$ 311 milhões de lucro em 2015, última demonstração financeira divulgada. Os clientes são, em sua maioria, órgãos públicos.
As moedas e cédulas são fabricadas sob determinação do Banco Central, que também controla a sua distribuição. Em abril de 2017, o governo fechou um contrato para pagar R$ 284,83 a cada mil notas produzidas pela Casa.

A empresa também imprime cédulas comemorativas, selos e passaportes. A Casa tem estrutura para produzir cerca de 15 mil passaportes por dia. Quando a Polícia Federal suspendeu o pagamento do serviço, em julho, isso gerou uma fila de 175 mil pedidos, que estão sendo atendidos até hoje.

Argumento

O argumento para privatizar a Casa da Moeda é que, como há cada vez menos dinheiro físico circulando, os gastos fixos não compensam. “O consumo de moedas no Brasil tem caído. Cada vez mais usamos menos papel moeda e a saúde financeira dela está extremamente debilitada, com a previsão de se debilitar ainda mais com o avanço da tecnologia”, disse o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias