SERGIPE

Pescador processa a Chesf por falta de peixes no São Francisco

Entre as provas apresentadas ao TJSE, laudos do Ibama comprovaram que houve redução na piscosidade do rio

JC Online
JC Online
Publicado em 11/09/2017 às 12:50
Foto: Divulgação
Entre as provas apresentadas ao TJSE, laudos do Ibama comprovaram que houve redução na piscosidade do rio - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

 Um pescador de Sergipe buscou a Justiça para tentar resolver o problema da falta de peixes ao longo do Rio São Francisco. Alegando intervenções da Companhia hidrelétrica do São Francisco (Chesf) na vazão do rio, o homem cobrou uma indenização à estatal por inviabilizar a pesca na região, comprometendo os seus rendimentos com a atividade econômica.

Na 1ª instância, no Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), a causa foi dada como ganha à Chesf, já que não ficou comprovado que a redução da vazão do Rio São Francisco e a consequente falta de peixes foi causada pela empresa pública. Ainda assim, alegando omissão nos pontos apresentados, o pescador recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que também não deu provimento à ação.

Provas

Entre as provas apresentadas ao TJSE, laudos do Ibama comprovaram que houve redução na piscosidade do rio, mas que o fenômeno não foi provocado por uma das hidrelétricas da Chesf, já que a causa teria sido a redução de vazão de um dos afluentes, decorrente de outros motivos e com autorização do Ministério do Meio Ambiente.

Para reduzir a vazão das hidrelétricas nos rios, a Chesf precisa de uma autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Ao todo, a Chesf possui 12 Hidrelétricas, sendo 8 no Rio São Francisco, duas no Rio Contas (BA), uma no Rio Parnaíba(PI), uma nos Rios Piancó e Aguiar (PB). Além das hidrelétricas, a companhia possui também uma usina térmica.

Segundo o pescador, o Rio São Francisco teve a vazão reduzida de 1.300 para 700 metros cúbicos por segundo, inviabilizando desde abril de 2013 a atividade de pesca em sua região. O recorrente buscou a responsabilização de outros órgãos governamentais, mas essa pretensão também foi rejeitada no TJSE e no STJ.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias