CUSTO DE VIDA

Conta de luz é a vilã da inflação de novembro

Custo da conta de luz pesou no índice geral de preços ao consumidor medido pela Fundação Getulio Vargas

Da Editoria de Economia
Da Editoria de Economia
Publicado em 16/11/2017 às 12:10
Divulgação/Pixabay
Custo da conta de luz pesou no índice geral de preços ao consumidor medido pela Fundação Getulio Vargas - FOTO: Divulgação/Pixabay
Leitura:

O custo da conta de luz foi o principal vilão da inflação ao consumidor medida pelo Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10), divulgado nesta quinta-feira, 16, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Os preços ao consumidor verificados pelo IPC-10 aceleraram para 0,32% em novembro, ante alta de 0,18% no mês anterior. O movimento foi puxado pelo item "tarifa de eletricidade residencial", cuja taxa passou de -1,22% em outubro para 3,69% em novembro.

INFLAÇÃO

Com isso, o grupo Habitação (de -0,01% em outubro para 0,78% em novembro) foi o destaque de alta no IPC-10. No geral, "quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação", diz a nota divulgada pela FGV. O grupo Alimentação passou de -0,08% para 0,02%. Na composição geral do IGP-10, a aceleração dos preços ao consumidor foi compensada pelo arrefecimento do ritmo de alta no atacado. Os preços no atacado medidos pelo IPA-10 tiveram alta de 0,21% no mês, ante um avanço de 0,67% em outubro.

Minério de ferro e alimentos foram o destaque da desaceleração - a maioria dos itens com movimento decrescente nas taxas de variação são classificados como "matérias-primas brutas". Os preços do minério de ferro passaram de uma baixa de -2,97% em outubro para -11,71% em novembro. Outros destaques foram os itens bovinos (4,26% para -1,83%), milho em grão (10,24% para 7,28%) e banana (1,04% para -17,49%). Já a aceleração do INCC-10, que mede os preços da construção civil e passou de alta de 0,11% em outubro para avanço de 0,30% em novembro, foi puxada pelo custo de materiais e serviços, já que o valor pago pela mão de obra praticamente não se alterou. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou alta de 0,67%, ante 0,23% em outubro.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias