PLANOS ECONÔMICOS

Acordo da poupança vai injetar R$ 12 bilhões na economia, diz Temer

O acordo envolveu poupadores e bancos, o que solucionou casos pendentes sobre perdas na caderneta de poupança

Bianca Sousa
Bianca Sousa
Publicado em 12/04/2018 às 13:03
Foto: Marcos Santos/ USP Imagens
O acordo envolveu poupadores e bancos, o que solucionou casos pendentes sobre perdas na caderneta de poupança - FOTO: Foto: Marcos Santos/ USP Imagens
Leitura:

O presidente da República, Michel Temer, destacou nesta quinta-feira (12), durante reunião ministerial no Palácio do Planalto, o acordo entre poupadores e bancos, alcançado pela Advocacia Geral da União (AGU), para solução das disputas referentes às perdas na caderneta de poupança nas décadas de 1980 e 1990.

"Os planos econômicos geraram mais de 1,2 milhão de processos que pleiteavam a solução dos planos econômicos. Isso rodou por 24 anos. Ninguém tinha coragem de resolver isso. Eliminamos esta litigiosidade", afirmou Temer. Segundo ele, a solução vai injetar R$ 12 bilhões na economia.

A reunião ministerial do período da manhã é a primeira entre o presidente Michel Temer e os onze novos ministros nomeados, após a desincompatibilização dos antecessores em função da eleição.

Assumiram nesta semana: Eduardo Guardia (Fazenda); Esteves Colnago (Planejamento); Moreira Franco (Minas e Energia); Rossieli Soares da Silva (Educação); Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social); Vinicius Lummertz (Turismo); Antônio de Pádua de Deus (Integração Nacional); Leandro Cruz Fróes da Silva (Esporte). Além disso, mais três interinos foram efetivados nos cargos: Marcos Jorge, que assumiu definitivamente o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Helton Yomura, que fica como ministro do Trabalho, e Gustavo do Vale Rocha (Direitos Humanos).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias