Caminhoneiros

Ações da Petrobras caem 8% após concessões de Temer

Queda é reflexo do anúncio da redução do preço do diesel, acordado por Michel Temer

Isabela Veríssimo
Isabela Veríssimo
Publicado em 28/05/2018 às 13:01
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Queda é reflexo do anúncio da redução do preço do diesel, acordado por Michel Temer - FOTO: Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Leitura:

As ações da Petrobras caíam cerca de 8% na Bolsa de Valores de São Paulo nesta segunda-feira (28), um dia após o anúncio da redução do preço do diesel, acordada pelo presidente Michel Temer para acabar com a greve dos caminhoneiros.

Às 11h10, as ações preferenciais da estatal petroleira perdiam 7,58% e as ordinárias 7,47%, após ter superado a barreira dos 8%, enquanto o índice Ibovespa caía 2,77%. Na semana passada, as ações da Petrobras já haviam caído 14%.

Acordo

Temer anunciou no domingo (27) uma redução de 46 centavos por litro de diesel por 60 dias e uma revisão mensal dos preços, ao invés de diária, como a Petrobras fazia até a semana passada, quando a crise eclodiu.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, tentava acalmar nesta segunda-feira (28) a reação negativa do mercado, garantindo que a medida "não irá causar qualquer prejuízo" para a empresa e que "não há um congelamento de preços" mas "apenas uma mudança na periodicidade" da revisão. 

A Petrobras havia alinhado seus preços com os do mercado internacional, com revisões diárias, no final de 2016 como uma estratégia para corrigir suas finanças e recuperar sua credibilidade depois de estar no centro do maior escândalo de corrupção na história do Brasil. 

A greve dos caminhoneiros que durante oito dias paralisa o Brasil foi desencadeada pelo aumento contínuo do preço do diesel, que passou de uma média de 3,356 reais em janeiro para 3,595 reais em 19 de maio, antes da greve, e chegou a 3,788 reais em 26 de maio.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias