SEBRAE

Estudo ajuda pequeno e médio empreendedor a encontrar seu nicho de mercado

Pesquisa identificou pelo menos 50 áreas,como brogadeiros gourmet, piercing, fitness, fantasias, cervejas, pipas, hortifruti, beleza entre outros

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 03/01/2015 às 6:23
Leitura:

O sonho de abrir um negócio em 2015 pode estar mais próximo. E aquele empurrãozinho necessário à implementação de uma atividade nova pode estar no estudo chamado “Oportunidades em Nichos do Varejo Online no Brasil”, feito pelo Sebrae, que aconselha ao empreendedor encontrar um mercado e explorar as possibilidades no mundo virtual. “A concorrência não tem fronteiras no e-commerce. É mais fácil o pequeno empreendedor ser reconhecido como especialista e referência num nicho de mercado conseguindo vender um produto de maior valor agregado”, aconselha o gestor de Projetos do Sebrae-PE, Thiago Suruagy.

Infográfico

SEBRAE ecommerce

Segundo ele, dentro de um nicho de mercado a pequena empresa pode oferecer um diferencial. “Num negócio pequeno oferecer algo especifico pode se tornar um grande mercado, porque a loja atende pessoas de vários lugares. No mercado online, alguns mercados já estão dominados por grandes empresas. Encontrar um nicho é oferecer o que não é óbvio, buscar produtos ou serviços além do comum”, defende Thiago. Ele cita como exemplo um site que se destacou vendendo sapatos femininos nas numerações 33 e 34. “Ou seja, temos muitos sites oferecendo sapatos femininos, mas nenhum especializado em números pequenos. Isso é encontrar um nicho de mercado”, afirma. Outro case de sucesso no mercado de nicho citado pelo gestor é um site que vende instrumentos somente para canhotos. “Como esses instrumentos não se encontram facilmente em qualquer loja, esse site tornou-se referência.”

O estudo identificou pelo menos 50 áreas em que podem ser encontrados nichos de mercado,como por exemplo: bolos, brigadeiro (incluindo os gourmet), piercing, lactose, fitness, fantasias, cervejas, pipas, hortifruti, beleza, convites, chapéu, balões, entre outros. O próprio estudo aconselha o empreendedor a fazer um refinamento dessa pesquisa, mas todas elas apresentaram buscas altas na internet, variando de 135 mil a 2,4 mil buscas mensalmente, buscando algum produto ou serviço relacionado a essas palavras.

Leia a matéria completa no caderno de Economia do JC deste sábado


O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias