Cotação do dólar

Dólar cai a R$ 3,14, após redução de chance de alta de juro nos EUA

Divulgação da ata de reunião da banco central dos EUA interferiu na cotação do dólar

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 16/08/2017 às 18:57
Foto: AFP
Divulgação da ata de reunião da banco central dos EUA interferiu na cotação do dólar - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O dólar acelerou as perdas ante o real nesta tarde de quarta-feira (16) - seguindo a desvalorização generalizada da moeda no exterior -, após a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA). O documento, considerado "dovish", destacou a fraqueza da inflação nos EUA, o que levou o mercado a projetar um atraso na continuidade de altas de juros no país. Foi visto também algum movimento técnico, além do voto de confiança que o mercado tem dado ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, após revisão da meta fiscal. Esta convicção, no entanto, foi caracterizada por alguns profissionais como exagerada, uma vez que a situação do país segue deteriorada.

A ata do Fed mostrou uma divisão entre os dirigentes em relação às futuras altas nos juros da economia americana. O enfoque principal foi a incerteza sobre os baixos números de inflação, com vários dirigentes apontando probabilidade de a inflação permanecer abaixo de 2% mais tempo que o previsto.

"O fato de os membros do Fed falarem que estão preocupados, ressaltando que a inflação não atinge a meta (de 2%) há mais de cinco anos e com alguns pedindo por uma parada na alta de juros para ver para onde a inflação deve ir, pesou no dólar", disse o gerente de câmbio do Banco Ourinvest, Bruno Foresti. Diante disso, a possibilidade de uma elevação de juros na reunião de dezembro passou de 46,7%, antes da divulgação da ata, para 39,6%, de acordo com os futuros dos Fed funds compilados pelo CME Group.

A avaliação da ata fez com que o dólar perdesse terreno frente a todas as moedas. Próximo ao fim dos negócios, a divisa americana renovou mínimas diversas vezes ante o real, em linha com as mínimas atingidas ante moedas emergentes e ligadas a commodities

O operador da corretora Multimoney Durval Corrêa disse, porém, que a queda de hoje foi exagerada devido aos problemas que o Brasil tem pela frente, embora os investidores tenham gostado da manutenção do rating do país pela Standard & Poor's e a retirada da observação negativa. Ontem, a equipe econômica elevou a meta fiscal do governo para um déficit de R$ 159 bilhões em 2017 e em 2018, além de anunciar previsões de déficits do governo central para os anos de 2019 e 2020. "A situação não está boa. A queda acentuada de hoje foi mais pela baixa liquidez do que otimismo. Por outro lado, o voto de confiança que o mercado tem dado a Meirelles tem sido grande, principalmente em relação à aprovação da reforma da Previdência", pontuou o operador da Multimoney.

Para Foresti, do Banco Ourinvest, o governo "terá que passar a reforma da Previdência de qualquer jeito. Caso aconteça um revés, a perda de confiança será muito grande e o dólar poderá buscar os R$ 3,30", podendo chegar a R$ 3,40, na avaliação de outros especialistas.

No mercado à vista, o dólar terminou em baixa de 0,86%, aos R$ 3,1473. O giro financeiro somou US$ 995 milhões. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1458 (-0,90%) e, na máxima, aos R$ 3,1779 (+0,10%).

Mercado futuro

No mercado futuro, o dólar para setembro caiu 0,55%, aos R$ 3,1630. O volume financeiro movimentado somou US$ 18,51 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1550 (-0,80%) a R$ 3,1880 (+0,23%).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias