ÁGUA

Governo federal vai repassar R$ 11 milhões para Adutora do Agreste

Ministro da Integração garantiu ao governador Paulo Câmara repasse de R$ 11 milhões

Da Editoria de Economia
Da Editoria de Economia
Publicado em 28/09/2017 às 10:50
Foto: Hélia Scheppa/Acervo JC Imagem
Ministro da Integração garantiu ao governador Paulo Câmara repasse de R$ 11 milhões - FOTO: Foto: Hélia Scheppa/Acervo JC Imagem
Leitura:

Em mais uma audiência este ano com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, para pedir agilidade na liberação de recursos para a Adutora do Agreste, o governador Paulo Câmara recebeu, ontem, a garantia de um repasse de R$ 11 milhões na próxima semana. Durante o encontro, o ministro também adiantou que aguarda a aprovação de projeto de lei do Congresso Nacional que permitirá o desembolso de mais R$ 58 milhões para a obra. A proposta parlamentar tem previsão de ser votada na próxima semana.

Otimista, o governador acredita que com a liberação a obra possa ser inaugurada ainda em 2017. “Nossa expectativa, cumprido esses repasses, é que a Adutora do Agreste possa ser inaugurada até o final deste ano. Essa é a principal obra do Estado, pois permitirá que a Transposição do Rio São Francisco beneficie a região com maior déficit hídrico, que é o Agreste. Vamos beneficiar milhões de pernambucanos”, destacou.

No mês passado, o governador Paulo Câmara participou de outra reunião com o ministro e pediu a liberação de R$ 164 milhões da emenda da bancada pernambucana ao Orçamento Geral da União (OGU). Obteve como resposta que o ministério vai se empenhar em liberar R$ 11 milhões da própria pasta, além de desbloquear até setembro outros R$ 40,5 milhões que estão contingenciados.

A audiência de ontem sinaliza que a promessa será cumprida. Ao longo deste ano, o governo Federal liberou R$ 56 milhões para a Adutora, enquanto a previsão de repasses era de R$ 240 milhões. Sem a conclusão da obra, a água do São Francisco não vai chegar às torneiras da população de 23 municípios da região. O sistema começou a ser construído em 2010 e está com apenas 55% do total executado. O valor da primeira etapa está calculado em R$ 1,2 bilhão, mas só foram liberados R$ 600 milhões até agora.

A redução nos repasses para a obra vem acontecendo desde 2013, mas se agravou em 2015, quando foram liberados R$ 94 milhões. Segundo a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), a obra da Adutora do Agreste não está paralisada, mas foi necessário ajustar a execução de acordo com as condições de repasse dos recursos do Ministério da Integração.
Durante a reunião de ontem, Paulo Câmara também tratou com o ministro das ações de reconstrução dos municípios pernambucanos afetadas pelas fortes chuvas que caíram no Estado nos meses de maio e junho deste ano.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias