PESQUISA

Pesquisa aponta que preço da garrafinha de água mineral varia até 450% no Grande Recife

Pesquisa do Procon-PE levantou preço de bebidas mais consumidas no Carnaval no Recife, Ipojuca, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Olinda

Edilson Vieira
Edilson Vieira
Publicado em 10/02/2020 às 14:47
Notícia
Foto: acervo JC/Imagem
Pesquisa do Procon-PE levantou preço de bebidas mais consumidas no Carnaval no Recife, Ipojuca, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Olinda - FOTO: Foto: acervo JC/Imagem
Leitura:

O Procon- PE realizou uma pesquisa inédita de bebidas para ajudar o folião durante o Carnaval. O levantamento foi realizado entre os dias 03 e 06 de fevereiro, 90 itens foram pesquisados em 14 estabelecimentos da Região Metropolitana do Recife. Foram visitados Recife, Ipojuca, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Olinda. Os dados levantados pela fiscalização trazem preços de cervejas; whisky; vodca; run; aguardente; conhaque; água mineral; refrigerantes; sucos; energéticos; depósitos térmicos e saco de gelo.

Leia mais: 'Eu já escuto os teus sinais'. Veja programação do Carnaval 2020 no Recife e Olinda

A maior diferença percentual foi da água mineral de 500 ml, uma diferença de 453,33%. A mais barata foi de R$ 0,45, vendida em Olinda, e a mais cara de R$ 2,49, em Ipojuca. Entre as cervejas (todas em lata), foram pesquisados 12 tipos, de diversos tamanhos. O consumidor pode comprar cervejas que variam entre R$ 1,19 (269ml), até R$ 6,79 (473 ml). Para quem prefere o whisky a maior diferença percentual em um litro de uma mesma marca foi vão de R$ 32,99 e R$ 89,90, uma diferença de 172,51%.
O órgão de defesa do consumidor também levantou valores de caixas térmicas, bolsas térmicas e isopor. A bolsa térmica de 36 litros foi a que apresentou a maior diferença percentual, de 167,22%.

PESQUISA

Para Danyelle Sena, gerente de fiscalização do Procon-PE, pode parecer curioso que em Olinda tenha sido encontrada pela fiscalização a garrafinha de água mineral mais barata. A razão, pode ser a grande concorrência durante esse período de prévias. "Já em Ipojuca, o preço alto tem a ver com o fato de ser uma área turística, o que não justifica, afinal, apesar de ser um produto de preço baixo, quando se vê a diferença em percentual, daria para comprar cinco garrafinhas de água em Olinda com o valor cobrado em Porto de Galinhas”, diz Danyelle Sena. Os preços foram levantados em estabelecimentos comerciais.

A pesquisa completa com o preço das bebidas e o local de venda pode ser encontrado no site do Procon.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias