Indústria

Fábrica da Novartis agora será em Jaboatão

Anunciada em 2009 para Goiana, indústria suíça de US$ 300 milhões ficará na região metropolitana

Giovanni Sandes
Giovanni Sandes
Publicado em 15/08/2011 às 15:49
Leitura:

Goiana ganhou a montadora da Fiat, mas perdeu a fábrica da Novartis. Em um novo movimento de reposicionamento de fábricas dentro de Pernambuco, a multinacional suíça anunciou nesta segunda (15) que construirá sua indústria de vacinas de US$ 300 milhões (R$ 480 milhões) em Jaboatão dos Guararapes e não mais no município da Mata Norte, como anunciado em 3 de setembro de 2009.

Diretor de Assuntos Corporativos da Novartis, Renard Aron comenta que a terraplenagem da fábrica em Jaboatão, entre os quilômetros 82 e 84 da BR-101 Sul, começará no início do ano que vem e em meados de 2012, ainda, terá partida a fase de obras civis. A fábrica estará pronta em 2014, pela estimativa atual da empresa.

A pedra fundamental da fábrica em Goiana foi lançada em setembro de 2009 pelo presidente da Novartis no Brasil, Alexander Triebnigg, e pelo governador Eduardo Campos, em um evento que custou a bagatela de R$ 1 milhão.

Segundo Renard, a mudança de endereço se deu por dois fatores, basicamente: o primeiro, pela distância do aeroporto. "Precisamos da cadeia de frios para transportar as vacinas. Goiana fica a 70 quilômetros do aeroporto. Jaboatão fica a 7 km", esclarece o diretor.

O outro ponto usado como justificativa para a alteração de endereço é a disponibilidade de mão de obra. Isso porque 50% dos 120 postos de trabalho que serão gerados pela fábrica, conta o executivo, são para mão de obra de alta especialização. "Recife tem mais condições de atrair os trabalhadores mais especializados, que virão do próprio Estado, de outras partes do Brasil e até do exterior", continua Aron.

Leia a cobertura completa sobre a mudança de endereço nesta terça (15), em Economia, no Jornal do Commercio.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias