Trabalho

Taxa de desemprego tem alta entre 2012 e 2013 na RMR

Resultado anual só não foi pior que o de Salvador

Da Editoria de Economia
Da Editoria de Economia
Publicado em 29/01/2014 às 18:33
Leitura:

A Região Metropolitana do Recife (RMR) fechou 2013 com o segundo pior índice de desemprego entre as seis localidades pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) na Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED). A taxa média de desemprego total cresceu de 12,0%, em 2012, para 13,0%, no ano passado. Ficou atrás apenas de Salvador, que fechou em 18,3%, em 2013. 

O resultado interrompe a trajetória descendente verificada desde 2004 na RMR. O coordenador local da PED, Jairo Santiago, lembra que o resultado é, em partes, fruto de uma forte base de cálculo do ano de 2012, quando foram gerados 78 mil empregos, puxados, sobretudo, por Suape e o setor da construção civil. No ano passado, a geração foi de 15 mil. A construção civil continua na liderança da geração de vagas. 

Santiago enfatiza que ainda não é possível falar numa inflexão. Ele acredita que, em 2014, os indicadores tendem a permanecer estáveis, com discretas variações. O coordenador lembra as vagas de emprego em função da Copa do Mundo, mesmo que temporárias, e da continuidade de grandes obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). 

Santiago aponta que o balanço apresentou crescimento da taxa de participação, que fechou em 56%, a maior da série histórica, iniciada em 1998.

Nas demais regiões metropolitanas, o comportamento foi variado: recuo em Fortaleza (de 8,9% para 8%), Porto Alegre (de 7% para 6,4%) e São Paulo (de 10,9% para 10,4%) e avançou em Belo Horizonte (de 5,1% para 6,9%).

DEZEMBRO - No último mês do ano, também segundo o Dieese, a taxa de desemprego total diminuiu de 12,3%, em novembro, para 11,4% na Região Metropolitana do Recife. A Indústria de Transformação grou 4 mil postos de trabalho; a Construção, 13 mil; o Comércio e a reparação de veículos automotores e motocicletas, 3 mil); e serviços, 4 mil. O rendimento médio real ficou em R$ 1.173, R$ 1.269 e R$ 861, para ocupados, assalariados e autônomos.

Confira aqui a pesquisa de 2013 e aqui a de dezembro. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias