repressão

Polícia apreende carga de 5,5 milhões de cigarros contrabandeados em São Lourenço

O caso foi apresentado na manhã desta sexta (21) na Delegacia de Polícia de Crimes Contra a Ordem Tributária (Deccot), em São José, no Recife

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 21/03/2014 às 11:00
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
O caso foi apresentado na manhã desta sexta (21) na Delegacia de Polícia de Crimes Contra a Ordem Tributária (Deccot), em São José, no Recife - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

Uma carga de 278,5 mil carteiras de cigarro foi apreendida na tarde da última quinta-feira (20) em São Lourenço, no Grande Recife. Os 5,5 milhões de cigarros foram encontrados em uma casa na Rua do Amendoim, 79, no Loteamento Portal Tiúma. A carga estava avaliada em R$ 1 milhão. O caso foi apresentado na manhã desta sexta (21) na Delegacia de Polícia de Crimes Contra a Ordem Tributária (Deccot), em São José, no Recife. Ninguém foi preso.

Segundo o delegado responsável Francisco Rodrigues, as investigações tiveram início a três meses atrás. A polícia tinha notícia de que cigarros paraguaios eram contrabandeados para Pernambuco nessa localidade. Na tarde de ontem, policiais ficaram vigiando a frente da casa e flagraram o momento em que um caminhão chegou com uma carga e estacionou em frente à residência número 79. Os policiais correram para autuar o motorista, mas o suspeito conseguiu fugir a pé, deixando toda a carga para trás.

A carga com 5,5 milhões de cigarros foi encontrada em uma casa em São Lourenço - Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Todo o cigarro seria comercializado na Região Metropolitana do Recife e em Caruaru. Como as cargas vieram do Paraguai, o caso ficará sob responsabilidade da Polícia Federal e a Deccot dará assessoria às investigações. Antes de ser incinerada, a carga será entregue à PF.

O diretor de operações estratégicas da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz-PE), Anderson Alencar, também participou da coletiva de apresentação. Ele avaliou a carga de cigarros em R$ 1 milhão e disse que, se o material apreendido fosse comercializado, o Estado perderia cerca de R$ 500 mil em arrecadação.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias