NEGÓCIOS

Mercado de luxo recupera-se rápido das crises

Setor cresce no Recife e tem planos a longo prazo

Da Editoria de Economia
Da Editoria de Economia
Publicado em 24/08/2014 às 9:10
Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Setor cresce no Recife e tem planos a longo prazo - FOTO: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Leitura:

O movimento recessivo da economia brasileira também impacta o mercado de luxo. A Euromonitor estima o crescimento em 2015 será de 4% em valor real (descontada a inflação). “Dizer que o mercado de luxo não é afetado pelo mercado é um mito. É afetado e rapidamente, porque trabalha com o ‘não necessário’.

O que acontece é que a recuperação é muito mais rápida do que nos outros setores, porque ele está diretamente ligado ao prazer, à satisfação, que são os primeiros sentimentos convertidos em consumo quando as coisas melhoram”, esclarece o consultor Carlos Ferreirinha. A executiva da Euromonitor Meika Nakamura acrescenta que as bases de consumo desses produtos e serviços são fortes. “O principal público são as classes de maior poder aquisitivo os quais sofrem menos com as questões socioeconômicas do Brasil”, pontua Nakamura.

Para Ferreirinha, outro contraponto ao pessimismo que permeia as demais áreas de varejo e serviços é a visão de longo prazo que as grandes companhias que trabalham com luxo têm. “As marcas estão mais cautelosas e preocupadas sobre como vão manter esses investimentos, mas elas têm um viés estratégico de longo prazo, de 10, 15 anos, 20 anos. E elas conseguem enxergar o vigor econômico do Brasil como fonte de sustentabilidade para seus negócios”, explica. 

CONCEITO - Contudo, o maior poder dos produtos e serviços de luxo está no seu conceito, como explica Ferreirinha. A empresária Paula Meira, 52 anos, conta como os atributos do luxo vão muito além do supérfluo. “Por trás de cada marca há um alto padrão de qualidade, seriedade e muito trabalho. Muitas delas são empresas que tem décadas de dedicação e revolucionaram seus segmentos”, lembra Paula, ao citar marcos históricos da moda de grifes como Gucci e Chanel. 

Para a empresária, as vantagens de produtos e serviços também estão fortemente presentes em tudo que os rodeia, como alto padrão de atendimento e de design. “Não é só um produto, há todo um valor envolvido nele que nós também compramos”. Paula ressalta ainda que ter acesso ao luxo é visto por ela como uma recompensa. “Eu trabalho muito. E o luxo também é status que você alcança pelo seu esforço”, ensina.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias