Calote

MPT recomenda que W9! priorize pagamento de trabalhadores

Pagamento das comissões de formatura deve ser feito depois que trabalhadores receberem seus direitos

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 15/10/2014 às 17:48
Foto: Renata Andrade/Especial para o JC
Pagamento das comissões de formatura deve ser feito depois que trabalhadores receberem seus direitos - FOTO: Foto: Renata Andrade/Especial para o JC
Leitura:

O Ministério Público do Trabalho em Pernambuco (MPT-PE) solicitou a um dos advogados da W9! que a empresa priorize o pagamento dos 40 funcionários que trabalhavam na agência, ao invés de começar a pagar as comissões de formatura. A recomendação foi da procuradora do trabalho, Janine Miranda, após uma audiência na sede do órgão na tarde desta quarta-feira (15). 

A atitude da W9 em começar a efetuar primeiro o pagamento das comissões fere a lei, já que créditos trabalhistas têm prioridade sobre todos os demais, pela natureza alimentícia que possuem.

A procuradora recomendou que sejam suspensos qualquer pagamento a formandos e a fornecedores até que os trabalhadores recebam seus direitos trabalhistas. O pagamento da W9 aos formandos começou a ser efetuado após doação de familiares de um dos proprietários da empresa. 

Uma nova audiência foi marcada para esta sexta-feira (17), às 14h30, no MPT, entre representantes da empresa e dos trabalhadores. Na ocasião, a empresa deverá apresentar o montante da dívida, tanto com trabalhadores como com os formandos. 

Desde o dia 25 de setembro o  MPT entrou com ação cautelar contra a W9, logo quando ficou ciente do problema envolvendo as comissões de formatura. O encerramento das atividades da empresa prejudicou, pelo menos, 70 comissões de formaturas. O calote nos universitários foi de cerca de R$ 10 milhões. A empresa encerrou as atividades no dia 22 de setembro e os formandos e funcionários foram informados do fechamento  por e-mail.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias