Comércio exterior

EUA se retiram da Parceria Transpacífico e Brasil vai se beneficiar

País poderá negociar em condições de igualdade com outras nações que atuavam em bloco

Da Editoria de Economia
Da Editoria de Economia
Publicado em 24/01/2017 às 7:00
Saul Loeb/AFP
País poderá negociar em condições de igualdade com outras nações que atuavam em bloco - FOTO: Saul Loeb/AFP
Leitura:

Cumprindo uma de suas principais promessas de campanha, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou uma ordem executiva ontem para retirar o país da Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), peça central da estratégia comercial e geopolítica de seu antecessor, Barack Obama. Para o Brasil, que não integra o bloco, a retirada será positiva para o comércio internacional com os norte-americanos, porque cria condições de igualdade com os demais 11 países que negociavam em conjunto e em condições privilegiadas.

A parceria do TPP estabelece normas comuns sobre questões que vão desde os direitos dos trabalhadores à proteção da propriedade intelectual. Assinado em 2015 por EUA e outros 11 países, o TPP é o maior acordo comercial da história, abrangendo 40% do PIB mundial. A retirada americana inviabiliza o tratado, já que para entrar em vigor ele precisa ser ratificado por países que representam 85% do PIB total dos signatários e só os EUA têm 60%.

"É uma grande coisa para o trabalhador americano o que acabamos de fazer”, disse Trump após assinar a ordem retirando os EUA do TPP. O fim do TPP deve beneficiar a China, justamente um dos alvos mais constantes de ataques de Trump, abrindo espaço para que Pequim aumente sua influência na Ásia com iniciativas como a Parceria Regional Econômica Ampla (RCEP, na sigla em inglês). O pacto em negociação entre a China e outros 15 países (sem os EUA), é um acordo comercial mais tradicional que o TPP, que estabelece normas em áreas como direitos trabalhistas e proteção ambiental.

Em meio ao discurso protecionista que dominou a campanha presidencial americana, o TPP não chegou sequer a ser objeto de debate no Congresso para ratificação, e mesmo a candidata do partido de Obama, a democrata Hillary Clinton, se mostrou contrária à iniciativa.

No último domingo, o republicano anunciou que iniciará em breve conversas com México e Canadá para renegociar o Nafta (acordo de livre comércio da América do Norte), e que, caso os termos do pacto não sejam revistos, os EUA deixarão a parceria. “Nós vamos começar a renegociar o Nafta, além de questões de imigração e segurança de fronteira (com o México)”, anunciou Trump em pronunciamento na Casa Branca domingo passado.

CONSEQUÊNCIAS

Economistas temem que o colapso dos acordos de integração comercial leve a uma série de consequências negativas, como redução do acesso dos EUA a seus maiores mercados de exportação, Canadá e México. Aumentos de tarifas impostos pelos EUA poderiam ser alvo de retaliação tarifária dos países do Nafta, aumentando o preço de vegetais, frutas, carros e gasolina nos EUA, principais produtos exportados para o mercado americano.

Além da saída do TPP, Trump assinou outras duas ordens executivas: uma que proíbe ex-funcionários do governo de fazer lóbi por cinco anos, e outra que impede organizações estrangeiras de receber ajuda do governo caso promovam o direito ao aborto usando fundos do exterior.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias