Dívidas

CDL Recife revela que a inadimplência atinge mais de 50% da população

Situação econômica do País, falta de organização do orçamento e atraso do salário são alguns dos fatores indicados no estudo para dívidas atrasadas dos consumidores

Editoria de Economia
Editoria de Economia
Publicado em 16/05/2017 às 9:28
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Situação econômica do País, falta de organização do orçamento e atraso do salário são alguns dos fatores indicados no estudo para dívidas atrasadas dos consumidores - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

Desemprego, crise econômica e juros elevados dos cartões de créditos são alguns fatores indicados para a situação de inadimplência na capital pernambucana no último mês de abril. Mais da metade dos devedores (57,4%) contam ter entre 31% a 50% da sua renda comprometida com a quitação de débitos atrasados, um aumento de 51,8% em comparação com o ano passado. O resultado revela um crescimento preocupante no grau de endividamento da população, visto que o recomendado é não ultrapassar 30%. Os dados são do levantamento realizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife (CDL Recife).

Segundo o presidente da CDL-Recife, Eduardo Catão, o desemprego é o pivô da situação. “Pernambuco foi quem mais sofreu com a situação econômica atual. Com o índice de desemprego, as pessoas deixam de trabalhar, passam a não ter dinheiro e, devido a isso, não quitam suas dívidas”.

Fatores

De acordo com Catão, outro fator que contribui é o uso excessivo dos cartões de crédito. “A maioria das pessoas utiliza os cartões em suas compras e fazem isso de forma descontrolada. Quando elas vão ver, não sabem o quanto vai pagar”, aponta.

O levantamento indica que a quantidade de dívidas por meio do uso dos cartões registrou crescimento de 26,8%, em abril do ano passado, para 56,6% em abril deste ano. O cartão de crédito em conjunto com o cartão da loja corresponde a 72,4% do total. Quando o assunto é cheque especial, os dados mostram crescimento de 0,8% em abril de 2016 para 10% em abril deste ano.

O aumento na quantidade de negativados passou de 28,1% em abril do ano passado para 56,6% em abril de 2017. Ainda segundo a pesquisa, os homens são maioria na lista dos que não conseguiram sanar os débitos em abril, com 50,9% dos negativados. Desse quantitativo, 83,3% tem entre 21 e 50 anos. O nível de escolaridade dos devedores é de ensino médio completo ou incompleto, com 66,4% da totalidade, e em sua maioria, são profissionais de empresas privadas com 43,4% do total, um aumento considerável de 17,5%, comparado com dezembro do ano anterior. Em segundo lugar, se encontram os autônomos com o registro de 22,6%.

Perfil da Dívida

Sobre o perfil da dívida, a maior parte (58,7%) possui atraso de seis meses e três anos. As dívidas de R$ 100 a R$ 499 lideram o ranking entre os valores com maior incidência com 38% do total. Um dado positivo neste estudo é que os índices de negativação com pessoas acima de 50 anos reduziram de 29,1% em dezembro de 2016 para 16,3% nesta última pesquisa.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias