Festas juninas

Às vésperas do São João, procura pelo milho é baixa no Ceasa-PE

Mão de milho está sendo vendida entre R$ 20 e R$ 30

Editoria de economia
Editoria de economia
Publicado em 21/06/2017 às 9:34
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
FOTO: Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

Apesar da alta expectativa da Central de Abastecimento de Pernambuco (Ceasa-PE) de vender 13 milhões de espigas de milho, as vendas do produto alcançaram apenas R$ 5 milhões e 734 mil espigas vendidas até esta terça-feira (20), de acordo com o boletim divulgado pelo principal local de compras do produto na região. A expectativa é de atingir até esta sexta-feira (véspera de São João) R$ 6 milhões de espigas vendidas. O preço da mão de milho (com 50 espigas cada) está entre R$ 20 a R$ 30.

Mesmo com índices abaixo do esperado, o presidente do Ceasa-PE está confiante. "A movimentação é crescente. Há dias em que há maior movimentação pela manhã. Outras, à tarde. O melhor horário é na madrugada. ", afirma. Ele também conta que existe uma procura sazonal, ou seja, muitas pessoas compram não só para uso próprio, como também para produção de pamonha, canjica, bolos e o próprio alimento para vender.

O presidente ainda complementa que o baixo preço atrai os consumidores, principalmente diante da crise. "As vendas se comportam inversamente proporcional a crise, porque os produtos são mais baratos. Talvez, o ticket médio tenha diminuído, mas a procura não", enfatiza. A qualidade é outro fator positivo. "A qualidade do milho está muito boa neste ano e notoriamente melhor, além de que a procura aumenta nos dias mais próximas das festas juninas", frisa o presidente.

Comerciantes

O comerciante Manuel Severino Xavier comenta sobre a baixa movimentação de consumidores no local. "No momento, chega mais milho do que pessoas para comprar", desabafa.

Apesar dos números pequenos no volume de vendas, o vendedor acredita que isso vá melhorar. "Acredito que a partir desta quarta-feira (21), a situação mude, pois começou a ter uma maior quantidade de pessoas circulando aqui", conta. O trabalhador relata que atende cerca de 200 pessoas e que vendeu 300 mãos de milhos, aproximadamente. A estimativa dele é de ter uma faixa de 1000 mãos de milho em vendas (5000 mil espigas) até o final do São João.

O mesmo sentimento é compartilhado pelo comerciante José Anselmo. "O movimento está fraco comparado com o ano passado. O valor em 2016 estava mais alto. Nesta época ano passado, não tinha mais nenhum produto aqui" explica. Outro ponto é a questão financeira. "Nessa crise, as pessoas querem comprar, mas não têm dinheiro", reclama.

O vendedor atendeu na manhã desta terça-feira (20), 28 consumidores e teve 100 mãos de milho vendidas.Tem expectativa de vender até o final das festividades juninas 600 mãos (30000 mil espigas). Até o momento, registrou 550 mãos de milho (27500 espigas).

Consumidores

O casal Márcia Silva e Otávio Silva vieram às compras logo cedo e levaram duas mãos de milho (100 espigas no total). Márcia conta: "O produto está muito bom e os preços muito bons e acessíveis", diz animada.

A auxiliar de escritório Marli Gomes também gostou bastante da oferta do milho no Ceasa, tanto que comprou três mãos desta vez, a R$ 25 cada. "Anualmente venho aqui comprar milho. Neste ano, não foi diferente. Os preços estavam ótimos", conta em tom de alegria.

A dona de casa Cristiane Tomaz veio junto com a irmã Cintia Tomaz e não perdeu tempo em garantir o produto tão desejado. "Acabei de chegar e já fiz a compra. Os milhos estão bonitos e os preços ótimos", comenta.

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
- Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias