Fecomércio-PE

Instituto Fecomércio lança pesquisa sobre as feiras de negócios em PE

Especialistas estão confiantes, especialmente com o crescimento do turismo de negócios e eventos no Estado

Editoria de Economia
Editoria de Economia
Publicado em 11/07/2017 às 14:42
Foto: Agência Rodrigo Moreira
Especialistas estão confiantes, especialmente com o crescimento do turismo de negócios e eventos no Estado - FOTO: Foto: Agência Rodrigo Moreira
Leitura:

O Instituto Fecomércio-PE lança, em parceria com o Sebrae, a pesquisa Oportunidade de Feiras e Eventos de negócios em Pernambuco, na manhã desta terça-feira (11), no Salão de Eventos do Senac. O encontro reúne empresários dentre os mais de 50 segmentos no Estado. A apresentação é por conta da economista Tânia Bacelar, da Ceplan Consultoria, também participante do estudo.

O estudo identifica em um primeiro momento o panorama da indústria de eventos e turismo de negócios do Brasil, analisam as oportunidades e desafios para as feiras nos próximos anos e uma avaliação dos setores com maior potencial para realizar eventos de negócios em Pernambuco. aponta que as áreas mais promissores para negócios são as de bebidas, tecnologia da informação, economia criativa, comunicação, desenvolvimento portuário, indústria farmoquímica, fruticultura irrigada, mercado pet, fitness, terceira idade e LGBT.

Importância do estudo

A diretora da Fecomércio-PE Brena Castelo Branco comenta sobre a importância da pesquisa e o cenário econômico de tais negócios. "O levantamento foi demandado pela Câmara de Turismo da Fecomércio para entender desses que é um dos principais instrumentos pra promover o segmento de produtos e serviços do Estado. Isso está muito linkado com a questão de oportunidade. Os segmentos estão se reinventando, buscando novas alternativas e a partir disso, surgem novas oportunidades de negócios. Por isso, vemos esse crescimento de alguns segmentos em nosso Estado", afirma.

Já a economista Tânia Bacelar destaca que as atividades elencadas no levantamento possuem bastante potencial no Estado. "Quando a gente olha a economia de Pernambuco, no primeiro ano da crise (2005) o Estado se saiu razoavelmente bem, a crise não bateu. Em 2016, bateu. Foi o ano mais difícil para PE, a média caiu abaixo da nacional. No início deste ano, Pernambuco já sinalizou que vai poder apresentar números mais favoráveis do que a média nacional. Eu atribuo isso ao bloco de investimento que fizemos uma década antes, aí ele hoje nos dá consistência para reagir melhor a crise que estamos passando. O setor de serviços de turismo surpreende aqui, porque no Brasil está afundando. Pernambuco tem um setor terciário muito bem organizado. É o núcleo da cadeia nesse segmento. Temos estruturas que não estão só concentradas na região metropolitana, mas também nas cidades do interior, como Caruaru, Santa Cruz do Capibaribe e Toritama", destaca.

Últimas notícias