INFLAÇÃO

Projeção do IPCA ficará em 3,38% este ano, segundo o Focus

Há um mês, a previsão era de 3,45% para o IPCA de 2017

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 04/09/2017 às 9:43
Foto: Pinterest/Reprodução
Há um mês, a previsão era de 3,45% para o IPCA de 2017 - FOTO: Foto: Pinterest/Reprodução
Leitura:

Os economistas do mercado financeiro voltaram a reduzir suas projeções para o IPCA - o índice oficial de inflação - neste ano. O Relatório de Mercado Focus, divulgado há pouco pelo BC, mostra que a mediana para o IPCA em 2017 foi de 3,45% para 3,38%. Há um mês, estava em 3,45%. A projeção para o índice de 2018 foi de 4,20% para 4,18%, ante 4,20% de quatro semanas atrás.

Na prática, as projeções de mercado divulgadas hoje no Focus indicam que a expectativa é de que a inflação fique abaixo do centro da meta, de 4,5%, em 2017 e 2018. A margem de tolerância para estes anos é de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 3,0% e 6,0%).

No dia 23, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA-15 - considerado uma espécie de prévia da inflação oficial - subiu 0,35% em agosto. O resultado ficou no piso das estimativas do mercado (de 0,35% a 0,65%).

PROJEÇÕES

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2017 seguiu em 3,27%. Para 2018, a estimativa permaneceu em 4,19%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 3,31% e 4,06%, respectivamente.

Já a inflação suavizada para os próximos 12 meses foi de 4,30% para 4,19% de uma semana para outra - há um mês, estava em 4,53%.

Entre os índices mensais mais próximos, a estimativa para agosto de 2017 caiu de 0,44% para 0,39%. Um mês antes, estava em 0,35%. No caso de setembro, a previsão de inflação do Focus foi de 0,31% para 0,29%, ante 0,33% de quatro semanas atrás. (Fabrício de Castro - fabricio.castro@estadao.com)

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias