Trabalho

Escolas não capacitam o jovem para as demandas do mercado

Estudo da Iniciativa Neo aponta que jovem não tem capacitação adequada

Leonardo Spinelli
Leonardo Spinelli
Publicado em 11/11/2019 às 19:45
Notícia
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Estudo da Iniciativa Neo aponta que jovem não tem capacitação adequada - FOTO: Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Leitura:

Enquanto o governo federal aposta suas fichas no programa de emprego Verde Amarelo como um piloto para desonerar a folha de pagamentos das empresas e estimular a empregabilidade dos jovens de 18 a 29 anos, um estudo da Inova Neo mostra que o problema é mais profundo. O resultado da pesquisa é apresentada nesta terça-feira (12), na Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), às 9h30.  Na faixa etária entre 18 e 24 anos, o desemprego ficou em 25,8% no segundo trimestre de 2019.


“Os jovens de 18 a 29 anos têm o dobro da taxa desemprego e é por isso que foram escolhidos para serem beneficiados. Faremos a desoneração da folha por nos próximos três anos, com responsabilidade, apontando as compensações dentro do orçamento", afirmou o secretário especial de Trabalho e  Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, em cerimônia no Palácio do Planalto, na segunda (11), durante o lançamento do programa. A taxa de desemprego no Brasil fechou em 12,5% no trimestre encerrado em julho. 


A pesquisa da Iniciativa Neo mostra um descasamento entre a formação do jovem e a demanda do mercado de trabalho. Segundo o resultado, os cursos de formação atendem apenas 30% da demanda por vagas, o que representa que 70% das ocupações não têm capacitação adequada pelas instituições de ensino técnico. O trabalho foi feito com as escolas técnicas instaladas em Pernambuco e que atendem 65 mil jovens, incluindo o Senai. 


O exemplo mais contundente acontece no Porto Digital, lembra Neila Vilar, coordenadora geral da Aliança Neo no Brasil. “As vagas que surgem no pólo de tecnologia não encontram as qualificações que as empresas demandam, especialmente em áreas de empregos mais qualificados ou relacionadas ao mundo do trabalho do futuro, que é o conhecimento na área de informática e das habilidades socioemocionais”, diz.


O material da Inicitavia Neo mostra outro problema na formação dos jovens e que as escolas não estão resolvendo. Mesmo que eles tenham a competência técnica exigida pelo mercado, falta aos jovens um conjunto de habilidades de postura pessoal em relação à cultura empresarial das companhias, como o compromisso no foco em resultados e trabalho em equipe. “O chamado  softskill é hoje essencial para o mundo do trabalho”, diz Neila.

CHANCE


A pesquisa também revela que os empresários precisam dar uma chance aos jovens que se formam em cursos técnicos. As empresas só abrem vagas para graduados. “Há jovens ganhando olimpíadas de aplicativos no Brasil e exterior e as empresas do Porto Digital não abrem vagas para eles. É o desencontro dos dois lados”, diz a especialista


Segundo o trabalho feito pela Iniciativa Neo, as empresas abrem mais vagas para o setor administrativo e de vendas. “Falta amplitude de vagas, a maioria das ofertas para os jovens está concentrada em 20 ocupações.”


A Iniciativa Neo trabalha em 10 países da América Latina e escolheu Pernambuco para trabalhar no Brasil, onde está desde o ano passado. É uma iniciativa do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), BID Lab e da International Youth Foundation. Na América Latina tem um orçamento de US$ 137 milhões.


Com a Secretaria da Educação e com o Cesar School, a Iniciativa Neo capacitou professores em novas metodologias de trabalho com jovens na sala de aula. A intenção é transformar o Estado em referência na educação técnica para jovens. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias