Paralisação

Em Pernambuco, petroleiros entram em greve por tempo indeterminado

Petroleiros cruzam os braço a partir do próximo sábado; entenda os motivos

Marília Banholzer
Marília Banholzer
Publicado em 29/01/2020 às 15:22
Notícia
Foto: divulgação
Petroleiros cruzam os braço a partir do próximo sábado; entenda os motivos - FOTO: Foto: divulgação
Leitura:

O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Petróleo dos Estados de Pernambuco e Paraíba (Sindipetro PE/PB)  decidiu que irá decretar greve por tempo indeterminado nas bases do Sistema Petrobrás de ambos os estados. A paralisação tem início à meia-noite deste sábado (1º). A categoria alega quer a parada é uma medida em "defesa dos empregos e contra as demissões em massa executadas pela empresa."

De acordo com a categoria, a depender da duração da greve, pode ser afetada a distribuição de gás de cozinha (GLP) e gás veicular (GNV). O abastecimento dos postos de combustíveis dos dois estados também pode sentir o reflexo da paralisação. Os petroleiros estimam que uma semana de braços cruzados já começam a refletir nos estoques dos postos de combustíveis da Região Metropolitana do Recife, no caso de Pernambuco, por causa da alto volume que é consumido.

A decisão pela greve foi tomada pela categoria após aprovação nas assembleias realizadas entre os dias 20 e 28 de janeiro de 2020. Com a greve, petroleiros pernambucanos e paraibanos se unem ao movimento grevista nacional, liderados pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), em resposta ao fechamento da Araucária Nitrogenados S/A (ANSA), no polo de Araucária (PR), causando a demissão de 1000 trabalhadores, entre diretos e terceirizados.

» Petroleiros iniciam paralisação em Pernambuco e na Paraíba

O Sindipetro informa, em nota, que com a deflagração do movimento grevista os trabalhadores deverão promover piquetes a partir deste sábado, nas portarias da Refinaria Abreu e Lima e Transpetro, ambos no porto de Suape.

As exigências dos petroleiros

Entre as exigências do movimento está o cumprimento da cláusula 26 do Acordo Coletivo de Trabalho da Araucária Nitrogenados (FAFEN-PR), onde prevê que "a companhia não promoverá despedida coletiva ou plúrima, motivada ou imotivada, nem rotatividade de pessoal (turnover), sem prévia discussão com o Sindicato". Os petroleiros também exigem respeito aos fóruns de negociações instituídos pelo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) de 2019, que suspendem as medidas unilaterais tomadas pela gestão da Petrobrás.

A ANSA, antigamente denominada Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (FAFEN-PR) é uma empresa subsidiária do Sistema Petrobrás, cujo fechamento foi anunciado pela gestão da estatal no último dia 13. A categoria alega que não houve diálogo ou aviso prévio aos trabalhadores ou entidades sindicais que os representam.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias