sofrimento

O drama de quem espera meses pelo benefício do INSS em Pernambuco

No Estado, a média é de 94 dias aguardando uma resposta do órgão. Atualmente, no Brasil, o INSS conta com dois milhões de benefícios represados

Elton Ponce
Elton Ponce
Publicado em 30/01/2020 às 13:48
Notícia
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
No Estado, a média é de 94 dias aguardando uma resposta do órgão. Atualmente, no Brasil, o INSS conta com dois milhões de benefícios represados - FOTO: Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

Idas constantes às agências e a sinalização de que o processo está sempre "em análise". Quem espera a concessão de benefícios do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), em Pernambuco, diz que é preciso paciência para enfrentar o processo. Isto porque, no Estado, a média é de 94 dias aguardando uma resposta do órgão. Atualmente, no Brasil, o INSS conta com dois milhões de benefícios represados.

Uma das pessoas nesta fila é o funcionário público Carmélio Cavalcanti, de 62 anos. Ele deu entrada em sua aposentadoria em maio do ano passado, e até esta quinta-feira (30), o seu processo ainda não havia sido concluído. Por isto, ele decidiu ir à agência da Avenida Mário Melo, no bairro de Santo Amaro, área Central do Recife. "Eu já vim três vezes aqui, entro no site e está sempre em análise. Inclusive, ontem liguei e ainda consta em análise. Atrapalha um pouco porque sempre tenho que estar conciliando o horário dos dois empregos e, se eu tivesse aposentado, não teria isto", comenta.

A empregada doméstica Rita Souza, de 60 anos, já contribui há quase 30 anos e, em agosto do ano passado, deu entrada em sua aposentadoria. Ela também esteve na agência do INSS da Mário Melo, depois de sinalizarem a falta de um documento. "Dei entrada em agosto e só há duas semanas me disseram que estava faltando documento. Eu acho que está demorando (o processo). Eu conheço gente que está esperando há seis meses, meu vizinho só conseguiu depois de nove meses. Também sei de casos que sai logo. A gente não sabe exatamente o que move isto aí", declarou.

A pensionista Luzia Lemos, de 72 anos, aguarda há mais de um ano para que seus filhos possam fazer a perícia médica no INSS. O processo teve início em 2018 e, desde então, ela não consegue um retorno do órgão. "Eu ligo e a história é que estão com muitos processos e que não tem previsão de quando vão ver o meu. Meu marido faleceu há dois anos e fez uma aposentadoria para meus filhos, mas eles não liberam o dinheiro porque tem que fazer uma perícia aqui no INSS e comprovar que eles são especiais", completa a pensionista, que esteve ontem na agência do INSS em Olinda, no Grande Recife.

Tempo de espera em Pernambuco

Pernambuco está na sétima colocação, no Brasil, na lista de tempo médio para concessão de benefícios do INSS. No Estado, são 94 dias de espera, em média, quando o prazo previsto em lei é de 45 dias. Pelos dados do INSS, apenas 28,9% das pendências são resolvidas antes do período regular, enquanto 71,1% extrapolam o tempo previsto em lei.

Na avaliação do advogado previdenciário, Paulo Perazzo, o problema do acúmulo de benefícios começou ainda durante o governo Temer, quando começou um trabalho de pente-fino para revisar aposentadorias e demais benefícios para detectar possíveis fraudes.

"Foi feito um acordo com os servidores do INSS para que eles ganhassem R$ 57 por cada benefício analisado na operação pente-fino. O problema é que depois resolveram estender essa vantagem para os benefícios novos, mas isso teria que ser feito por meio de medida provisória e os servidores começaram a fazer uma espécie de operação padrão enquanto a situação não se resolvia. A consequência foi o acúmulo de pedidos de benefícios", afirmou o especialista.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias