2014

Fifa prega 'tolerância zero' contra manipulação na Copa

Declaração foi dada durante um workshop na capital baiana

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 10/04/2013 às 19:23
Leitura:

O diretor de segurança da Fifa, o alemão Ralf Mutschke, está em guerra com os esquemas de manipulação de resultados que têm maculado a imagem do futebol pelo mundo. "Com a ajuda da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), estamos detectando as fraudes, identificando e punindo os autores", afirma. "A mensagem que estamos mandando é clara: a Fifa terá tolerância zero com manipulação de resultados e corrupção. O combate a esse tipo de fraude é prioridade para a Fifa."

O dirigente esteve nesta quarta-feira em Salvador como palestrante em um workshop para apresentar a dirigentes de federações brasileiras e a policiais e integrantes do Judiciário brasileiro as técnicas que vêm sendo adotadas pela entidade para detectar manipulações de resultados para prevenir e combater as fraudes.

"Temos levado esta mensagem para todos os países membros da Fifa", disse o diretor, lembrando que a vinda da comitiva ao Brasil é a primeira do gênero na América do Sul. "Trabalhei por 33 anos na polícia alemã e, na nossa experiência, aprendemos que a punição é necessária, mas a educação e a conscientização é o fator mais importante para o combate a esse tipo de crime, que é uma fraude financeira e já se provou especialmente perigosa."

De acordo com o dirigente, o principal foco das manipulações de resultados está no Sudeste da Ásia, onde organizações criminosas usam casas de apostas - legais - para apostar em resultados, muitas vezes, segundo ele, "exóticos", em partidas de futebol. Para vencer, os grupos, então, subornam jogadores, técnicos e juízes.

"Temos tido o apoio dessas casas, que nos avisam de possíveis irregularidades quando detectam padrões incomuns nas apostas", conta Ralf. "Apenas nos dois primeiros meses do ano, já punimos 173 pessoas, mas precisamos envolver todos as pessoas relacionadas ao futebol nesse esforço, porque essa rede tem muitas ramificações. O futebol deixou de ser uma paixão popular para virar uma indústria global, com grande impacto financeiro, e claro que isso atrai as organizações criminosas."

Para o chefe do Grupo de Integridade em Esportes da Interpol, o inglês Stuart Cameron-Walker, também palestrante do workshop, o futebol corre risco caso a comunidade envolvida com o esporte não consiga vencer as organizações criminosas.

"Este é um problema sério que estamos enfrentando porque se não conseguirmos combater esse perigo, o esporte vai sofrer consequências graves", avalia. "Pode haver saída de jogadores importantes, de técnicos e, em último caso, o futebol pode perder relevância e investimentos."

O gerente-geral de Segurança do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014, Hilário Medeiros, avalia que a troca de experiências é importante na preparação do País para o evento. "Vamos aprender como detectar as fraudes e como proceder em caso de indício de manipulação", acredita. O evento, que acontece no Sheraton da Bahia Hotel, segue até amanhã (quinta-feira). Apenas os convidados da Fifa e da CBF têm acesso às palestras.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias