Rússia 2018

Jogadores de Senegal são comparado a camelôs por ex-presidente de clube

Manifestação foi feita por meio da rede social twitter e recebeu duras críticas

Luana Ponsoni
Luana Ponsoni
Publicado em 20/06/2018 às 11:41
Francisco Leong / AFP
Manifestação foi feita por meio da rede social twitter e recebeu duras críticas - FOTO: Francisco Leong / AFP
Leitura:

Ainda que os climas de festa, alegria e celebração sejam predominantes em Copas do Mundo, de alguma forma, o Mundial também encoraja manifestações racistas. Comuns e recorrentes em muitos torneios de futebol pelo mundo. Nesta quarta-feira  (20), foi a vez da seleção do Senegal sofrer preconceito. Um dia depois de vencerem a Polônia na estreia, na Rússia, os senegaleses foram identificados pelo magnata Alan Michael Sugar como os vendedores ambulantes que atuam nas praias espanholas de Marbella. 

A comparação, feita por meio da rede social twitter, recebeu fortes críticas, já que o inglês, que inclusive foi presidente do Tottenham, foi desrespeitoso e tentou diminuir tanto os jogadores, quanto os vendedores africanos. Apesar do mal-estar instalado, Alan Michael Sugar voltou ao Twitter para dizer que iria remover o post, mas que não concordava com as críticas à "brincadeira".

ARREPENDIMENTO

Logo depois, o magnata fez nova publicação se desculpando pelo post. "Eu julguei errado meu tuíte de mais cedo. Minha intenção não era ofender, e claramente minha tentativa de fazer graça foi rebatida. Deletei o tuíte e peço muitas desculpas", retratou-se.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias