Rússia 2018

Números apontam evolução do Brasil na 1ª fase da Copa

Equipe teve quase 60% de posse de bola nas partidas, com 56 finalizações

Luana Ponsoni
Luana Ponsoni
Publicado em 29/06/2018 às 16:04
Lucas Figueiredo/CBF/Divulgação
Equipe teve quase 60% de posse de bola nas partidas, com 56 finalizações - FOTO: Lucas Figueiredo/CBF/Divulgação
Leitura:

Apesar do empate por 1x1 com a Suíça, na estreia da fase de grupos da Rússia, seleção brasileira conseguiu atingir o primeiro objetivo no Mundial. Passou às oitavas de final com o primeiro lugar da chave E, com sete pontos. Na saída do Estádio Spartak, após a vitória sobre a Sérvia por 2x0, os jogadores do Brasil destacaram o crescimento do grupo no decorrer da etapa inicial da competição. E as estatísticas divulgadas pela Fifa nesta sexta-feira (29) justificam a afirmação dos atletas.

NÚMEROS TOTAIS

Em números totais, a seleção brasileira finalizou ao gol 56 vezes na primeira fase, sendo 19 delas no alvo. A posse de bola média da equipe foi de 58,6%. O percentual indica um domínio mais produtivo das iniciativas de jogadas. Foram cinco gols marcados em 19 oportunidades reais. O Brasil teve 26 escanteios a seu favor. A seleção ficou em média 24% de sua posse de bola no terço de ataque do campo.

"Importante a gente ter solidez. A gente sabe da nossa qualidade na frente e de toda a equipe. A gente fica concentrado para não tomar gols, porque lá na frente, a gente sabe que vai resolver. Saber sofrer fortalece a equipe. A gente não vai ter 100% de domínio no jogo. Quando fizemos o segundo gol ( contra a Sérvia) ficou mais tranquilo para segurar o resultado, que era o mais importante para a gente", avaliou o goleiro Alisson após o último jogo.

Agora, o Brasil se volta para o México, com o objetivo de dar sequência ao crescimento da equipe na Copa do Mundo. "A gente sabe que a equipe deles tem qualidade. Não tem jogo fácil, vai ser mais um jogo difícil. Vamos trabalhar forte pra entrar bem contra eles. O importante é ter a cabeça tranquila e continuar evoluindo" , comentou Willian. 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias