Mundial

Holofotes na hora de decidir para Neymar e Hazard

Neymar e Hazard são os craques de Brasil e Bélgica na decisão válida pelas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia

Davi Saboya
Davi Saboya
Publicado em 06/07/2018 às 7:03
Fotos: AFP
Neymar e Hazard são os craques de Brasil e Bélgica na decisão válida pelas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia - FOTO: Fotos: AFP
Leitura:

A grande expectativa do confronto entre Brasil e Bélgica gira em torno do embate entre duas das seleções favoritas ao troféu mais cobiçado do futebol. Mesmo com ambas valorizando o coletivo, se a partida for decidida por um jogador em lance de habilidade, os holofotes apontam para dois craques: Neymar e Hazard. Apesar de jogarem com outros atletas de alto nível, a probabilidade maior é que a jogada individual, o drible ou o lance de talento venha dos pés deles. Nos quatro jogos da Copa do Mundo, foram decisivos e efetivos defendendo as respectivas seleções. Ainda mais o brasileiro que esteve em campo nos quatro jogos.

Aos 26 anos, vindo de uma lesão nas vésperas do Mundial, Neymar precisou suar a camisa em dobro para ficar apto na estreia diante da Suíça. Abaixo do nível esperado, o próprio técnico Tite deixou isso claro, ele mostrou uma evolução pessoal e técnica durante a Copa. Depois do tímido início, foi possível observar o atacante mais decisivo e participativo contribuindo para a evolução da seleção brasileira.

Em quatro partidas na Rússia, Neymar marcou dois gols e deu uma assistência. A importância dele para o jogo da seleção brasileira é possível observar quando são analisados os quesitos de passes completos e chutes no gol. No total, foram 170 de 217 e 12 de 24 tentativas, respectivamente. Além disso, correu 37,4 km.

Porém, o atacante do Paris Saint Germain (PSG) está precisando utilizar os dribles também fora das quatro linhas. Ele tem sofrido várias críticas de especialistas e ex-jogadores que estão comentando que o camisa dez da canarinho tem uma “mania” de cair mais do que o normal em campo para “dramatizar” os lances. Pensamento que diverge do camisa nove da seleção da Bélgica, Romelu Lukaku.

Para o atacante, que tem quatro gols no torneio e é fã declarado de Adriano Imperador, o brasileiro não valoriza as faltas. De acordo com ele, a cena é fruto da força utilizada pelos adversários. “Neymar não é ator. Ele é habilidoso. Contra o brasileiro, os jogadores chegam mais duro porque sabem que as qualidades não são normais. Acho que no futuro será o melhor do mundo. Estou feliz de enfrentar um atleta desse quilate mais uma vez”, disse o belga, ontem, em coletiva.

O mesmo protagonismo é esperado do meia-atacante Hazard, de 27 anos. Jogando ao lado de De Bruyne e Lukaku, tem a responsabilidade, assim como Neymar, de vestir a camisa dez, carregar a seleção e decidir as partidas. Os dois principais companheiros até apresentam qualidades de armação e finalização. Só que quando o quesito é habilidade e a jogada talentosa, a missão cai nos pés do jogador do Chelsea.

Da mesma geração de Neymar, Hazard não disputou a última partida da fase de grupos da Copa do Mundo contra a Inglaterra por decisão do técnico Roberto Martínez, que optou por poupar os titulares. Ainda assim teve um desempenho significativo no Mundial quando comparado com o brasileiro. Ele fica na frente do atleta do PSG com duas assistências e empata em gols marcados, tendo balançado as redes duas vezes. Nos três jogos, foram cinco finalizações no gol de onze realizadas e 99 passes certos de 122 tentativas. Distância percorrida: 27, 8 km.

AMIZADE

Companheiro do craque belga no Chelsea, o meia-atacante brasileiro Willian levantou a bola do amigo, mas não escondeu a vontade de vencer o duelo. “Hazard é muito bom. Eles (os belgas) possuem uma equipe qualificada. Vamos estudar as qualidades deles, assim como irão se aprofundar na nossa. Vai ser mais um jogo complicado”, afirmou o brasileiro. “Nosso relacionamento é muito bom. É a primeira vez que irei jogar contra ele (Hazard). Um cara humilde e gosto de ter essa relação no clube. Agora é o momento de cada um defender a sua seleção e espero levar a melhor”, acrescentou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias