Pelo Brasil

Machucado, Ganso para por seis semanas

Meia santista sofreu uma lesão muscular e só poderá voltar a jogar numa eventual final de Libertadores

Moisés Holanda
Moisés Holanda
Publicado em 09/05/2011 às 16:17
Foto: Divulgação
FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

O técnico Muricy Ramalho ganhou uma dor de cabeça para o segundo jogo da final do Paulistão e para o mata-mata da Copa Libertadores. Após deixar o gramado mais cedo na decisão de domingo, Paulo Henrique Ganso teve constatada nesta segunda-feira (9/5) uma lesão que o afastará do Santos por até seis semanas.

Os exames, cujos resultados foram revelados nesta manhã, confirmaram a suspeita que havia desde a noite de domingo. Com uma contusão no músculo reto anterior da coxa direita, o meia só deverá voltar ao time em uma eventual final da Libertadores. A decisão será disputada nos dias 15 e 22 de junho.

De acordo com os médicos do Santos, Ganso sofreu uma lesão de grau dois, que geralmente exige quatro semanas de recuperação. No entanto, o jogador precisará ficar mais tempo afastado porque o músculo atingido é muito exigido no futebol.

"Normalmente, o tempo de recuperação de uma lesão muscular de grau dois é de quatro semanas. Mas no caso do Ganso, este tempo será de seis semanas, já que o músculo reto anterior é fundamental para o equilíbrio e força na prática de futebol", justificou o médico Rodrigo Zogaib.

O especialista explicou ainda que a atual lesão não tem relação com o problema no joelho esquerdo sofrido em agosto do ano passado. "Foi uma lesão traumática, causada pelo mecanismo do movimento que o atleta executou naquele lance. Ele estava em desequilíbrio, com o joelho direito apoiado no chão, e tentou chutar com a perna esquerda. Neste momento, a músculo da coxa direita sofreu uma contração, o que causou a lesão. Por isso, não há nenhuma relação com a lesão no joelho que o atleta teve no último ano e nem com um eventual stress muscular pela sequência de jogos", comentou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias