Seleção brasileira

Mano Menezes promete grupo mesclado para ganhar a Copa América

Técnico quer misturar jovens jogadores com atletas mais veteranos para torneio na Argentina

Moisés Holanda
Moisés Holanda
Publicado em 09/05/2011 às 17:06
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
FOTO: Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

O técnico Mano Menezes apontou, nesta segunda-feira (9/5), no Rio de Janeiro, a importância de conquistar a Copa América para a seleção brasileira. O treinador afirmou que a equipe "não pode fazer uma competição ruim" e, para isso, planeja mesclar jovens jogadores com atletas mais veteranos, como fez na convocação para o amistoso diante da Escócia, no último dia 27 de março, em Londres.

"A faixa etária da seleção, sem criticar meu antecessor Dunga, era muito alta. Então é preciso dar continuidade à reformulação. Há vários jovens com qualidade para atuar na seleção e só há uma forma de dar esperança a eles: dar chance de jogar. Mas também não podemos levar só jovens para atuar na Copa América, é um torneio muito duro. A Argentina está pressionada para ganhar. Então, também precisamos misturar porque não podemos fazer uma Copa América ruim", declarou o treinador, em seminário sobre a Copa do Mundo de 2014.

De acordo com o técnico brasileiro, a confiança para o Mundial de 2014, no Brasil, está sendo moldada durante todo o período de preparação, desde o final da última Copa. Por isso, ele apontou a necessidade da conquista do torneio continental. "Vamos criando esta ideia de que 'vamos ganhar a Copa'. Isso não é só uma frase. A gente não terá firmeza de falar essa frase se eu não conseguir fazer um trabalho de sustentação para isso. Por isso este período é tão importante", afirmou.

No amistoso vencido por 2 a 0 sobre a Escócia, Mano voltou a chamar nomes que atuaram na África do Sul, em 2010, como o lateral-direito Maicon e o zagueiro Lúcio. O goleiro Julio Cesar por sua vez, já havia voltado a integrar o grupo da seleção. Ao mesmo tempo, jovens como Lucas, Leandro Damião e Henrique ganharam suas primeiras chances. "O grupo que vai para a Copa América é o grupo que participou de jogos até aqui. Já comecei a chamar jogadores que vinham atuando anteriormente na seleção. Vamos obedecer essa nossa característica sem grandes novidades", apontou.

Apesar de saber da pressão que terá pela conquista da Copa América, o técnico lembrou que o torneio será apenas uma etapa da preparação. "O resultado é importante na formação do trabalho. Mas resultado positivo nem sempre é só vitória. O resultado é a afirmação de ideias, a construção. Às vezes você não pode ganhar nestes momentos. Sabe-se a necessidade de vitórias quando está à frente na seleção, mas é preciso pensar por outro lado", concluiu.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias