FUTEBOL

Marcos faz 38 anos e não descarta adiar aposentadoria

"Se o Palmeiras fizer uma boa proposta, estou aí para escutar. Vamos ver quanto eu recebo", afirmou o jogador

Fábio Jardelino
Fábio Jardelino
Publicado em 04/08/2011 às 16:28
Leitura:

O goleiro Marcos completou 38 anos de idade nesta quinta-feira em meio a um 2011 que promete ser marcante para a sua carreira. O ídolo palmeirense já avisou que esta deverá ser a sua última temporada como jogador profissional, mas, após o empate por 1 a 1 com o Coritiba, na noite da última quarta, no Couto Pereira, pelo Campeonato Brasileiro, ele admitiu que existe uma chance de ele adiar a sua aposentadoria.

Com bom humor, Marcos lembrou que já não consegue atuar mais dentro da plenitude física que o consagrou no gol e destacou que uma hora precisará abrir espaço para a continuidade de outros jogadores da posição se firmarem no Palmeiras. Porém, ele não quis dar a certeza de que realmente irá encerrar a sua carreira ao final deste ano.

"Dá uma coceirinha para continuar, claro. Mas, se eu falar que eu vou renovar, o Deola e o Bruno se suicidam. Vamos esperar. O importante é, neste ano, fazer um bom campeonato e jogar bem. Estou conseguindo fazer isso mesmo com algumas dores. A gente sabe que hoje em dia eu não jogo com 100% das condições, mas a zaga ajuda muito e a bola chega pouco ao gol. Isso dá uma animada. De qualquer forma, o pensamento é de encerrar (a carreira) no fim do ano. Se o Palmeiras fizer uma boa proposta, estou aí para escutar. Vamos ver quanto eu recebo", afirmou o jogador, que já está há 19 anos no Palmeiras.

No próximo sábado, contra o Grêmio, às 18h30, no Canindé, pela 15.ª rodada do Campeonato Brasileiro, Marcos terá mais um dia especial como goleiro do Palmeiras. O ídolo usará um uniforme confeccionado especialmente para ele em homenagem aos 15 anos de sua estreia como titular do clube, ocorrida no dia 19 de maio de 1996, na vitória por 4 a 0 sobre o Botafogo-SP. Na ocasião, o goleiro agarrou um pênalti.

"A torcida sempre me deu muita moral, e a homenagem que o Palmeiras e o patrocinador estão fazendo me deixa muito feliz. Fico feliz por ter uma camisa exclusiva minha. Acho que vai vender bastante”, festejou o jogador, antes de brincar com o fato de que não se sente totalmente à vontade quando vira o grande centro das atenções.

“Na verdade, eu nem gosto muito disso, de muita festa. Toda vez que eu uso pela primeira vez uma camisa, ou algo assim, a gente toma um sacode. Colocaram para estrear essa contra o Grêmio, aí já jogam uma pressão absurda para cima de mim. Ficam fazendo aquela festa e tal, e aí um cara sapeca um chute lá do meio da rua e vão reclamar de mim”, brincou o goleiro, antes de enfatizar: “Tenho de ficar atento para não estragar um dia especial, de uma grande homenagem. Fico feliz por tudo isso”.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias