Copa do Rei

Pisão de Pepe em Messi causa polêmica na Espanha

O lance gerou reação imediata até de quem não tem relação nenhuma com as equipes. O atacante Wayne Rooney, do Manchester United, por exemplo, chamou o luso-brasileiro de "idiota" através de sua página no Twitter

Davi Barboza
Davi Barboza
Publicado em 19/01/2012 às 13:58
Leitura:

Como tem se tornado comum nos últimos anos, o clássico entre Real Madrid e Barcelona, disputado na última quarta-feira, pelas quartas de final da Copa do Rei, gerou muita polêmica. A vitória da equipe catalã, fora de casa, por 2 a 1, ficou em segundo plano e a principal discussão foi sobre a violência do zagueiro Pepe, do time madrilenho, que pisou na mão de Messi quando faltavam cerca de 20 minutos para o final da partida.

O lance gerou reação imediata até de quem não tem relação nenhuma com as equipes. O atacante Wayne Rooney, do Manchester United, por exemplo, chamou o luso-brasileiro de "idiota" através de sua página no Twitter. Após o término da partida, os jogadores do Barcelona mostraram-se revoltados com o zagueiro.

"São entradas brutas e lamentáveis", comentou o meio-campista Xavi. "Há imagens que dizem tudo. Não sei se vão puni-lo, mas não é a primeira vez que isso acontece. Já foram muitas", concordou Iniesta. "Se fosse meu companheiro, não sei o que faria", completou Piqué.

Até mesmo o técnico português José Mourinho admitiu que Pepe deve ser punido se for comprovado que o pisão foi intencional, mas garantiu que não viu o lance. Mesmo discurso do treinador do Barcelona, Pep Guardiola, que preferiu não entrar na polêmica e também disse não ter visto agressão.

O lance envolvendo Pepe deve esquentar ainda mais o clima para a partida de volta, que será disputada no Camp Nou, na próxima quarta-feira. O Barcelona pode até perder por 1 a 0 para avançar às semifinais, enquanto o Real precisa vencer por dois gols de diferença, ou por um, desde que o placar seja superior a 2 a 1.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias