clássico das multidões

Hora de usar a carta certa

Treinadores não podem errar no domingo, pois um simples deslize pode levar à perda do título do Estadual 2012

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 07/05/2012 às 19:08
Leitura:

Os treinadores Mazola Júnior e Zé Teodoro têm 90 minutos para escrever seus nomes na história de Sport e Santa Cruz, respectivamente. Depois do empate por 0x0 no Arruda, o novo campeão pernambucano será conhecido no próximo domingo, dia da partida de volta da decisão, marcada para a Ilha do Retiro.

Zé Teodoro e o Santa lutam pelo bicampeonato, o que não acontece desde 1986/87. Já o Sport busca com Mazola o 40º troféu do certame local.

Se por um lado existe este glamour, por outro há muita responsabilidade. Agora não dá para falhar. Chegou o momento de decidir, de saber jogar com as cartas à disposição. Vale a pena lembrar que o Leão, além de atuar em seu reduto, tem o benefício de jogar pelo empate (com ou sem gols), pois fez a melhor campanha da 1ª fase. Ao tricolor só resta a vitória por qualquer placar.

No rubro-negro, uma carta está fora do baralho, ou melhor, é desfalque: o zagueiro Tobi. Ele recebeu o terceiro cartão amarelo no Clássico das Multidões do último domingo, no Arruda. Mazola Júnior tem em suas mãos o poder de delinear a estratégia do time para a partida. Caso opte por uma substituição tradicional, ele pode apenas escalar o zagueiro Ailson. Montoya também é uma opção. Mas ele pode deixar o time mais leve, colocando o volante Naldinho, saindo do 3-5-2 para o 4-4-2. Em vez de três zagueiros, o time jogaria com três volantes, com Hamilton flutuando entre a cabeça de área e a zaga.

Outra hipótese seria a entrada de Marquinhos Paraná, caso esteja recuperado de uma lesão muscular que o tirou do clássico passado. Uma probabilidade mais remota seria a escalação de Rivaldo no setor e a promoção do retorno dos especialistas Renê ou Julinho na lateral esquerda.

Diferentemente do ano passado, quando jogou a maior parte das partidas apostando no erro do adversário, o Santa Cruz precisa tomar a iniciativa desta vez. O empate não lhe interessa. Por isso, a teoria manda Zé Teodoro repetir a formação com dois meias, Natan e Luciano Henrique. Mas será bom usar estas cartas tão importantes logo no início do jogo? É uma questão difícil de responder.

Leia mais na edição desta terça-feira (08/5) do Jornal do Commercio.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias