Eurocopa

Espanha derruba Portugal nos pênaltis e está na final

Fúria irá disputar campeonato contra Alemanha ou Itália, que decidem quinta-feira (28/6) a outra vaga

Miguel Rios
Miguel Rios
Publicado em 27/06/2012 às 19:09
Leitura:

DONETSK (Ucrânia) - Atual campeã, a Espanha está na final da Eurocopa 2012. Depois de sofrer durante 120 minutos para furar o bloqueio adversário na Donbass Arena, em Donetsk, sem sair do 0x0, o time de Vicente Del Bosque bateu Portugal nos pênaltis, por 4x2, e irá tentar o bicampeonato diante de Alemanha ou Itália, que se enfrentam nesta quinta-feira (27/6) em Varsóvia.

Xabi Alonso começou cobrando e parou em Rui Patrício. Mas João Moutinho parou em Casillas e Bruno Alves na trave. Coube a Fabregas converter o pênalti que selou a classificação espanhola. A Fúria agora terá a oportunidade de igualar o feito da França, que em 2000, dois anos após vencer a Copa do Mundo, levantou o caneco da Eurocopa.

O técnico Paulo Bento prometeu e cumpriu. Desde que soube que a Espanha seria sua adversária na semifinal da Eurocopa, o comandante avisou que não jogaria recuado como a maioria faz para tentar parar o poderoso ataque espanhol. Nesta quarta-feira, na Donbass Arena, Portugal repetiu a escalação que tem apostado desde o início e, mais do que isso, se impôs em campo.

Acostumada a incansáveis trocas de passe, a seleção de Vicente Del Bosque até fez isso – e ouviu vaias das arquibancadas –, mas não conseguiu exercer um amplo domínio. Durante o primeiro tempo, teve apenas 10% a mais de posse de bola que o adversário. Atacou pouco e quando atacou foi mal.

A dificuldade em o setor ofensivo espanhol produzir fez o treinador apostar em Negredo para o lugar de Fabregas. O atacante do Sevilla, contudo, também não correspondeu, assim como David Silva. Nas duas oportunidades que teve, ele preferiu o passe para Iniesta a chutar para o gol e acabou errando em ambas. O meia do Barcelona, aliás, era o jogador mais perigoso da Fúria. Aos 28 minutos, ele recebeu de Xavi e arriscou de primeira, mandando com muito perigo para a meta de Rui Patrício.

Pelo lado português, não poderia ser diferente, Cristiano Ronaldo participava das principais ações de jogo. Ele começou aberto pela esquerda, de onde foi até a linha de fundo e cruzou na medida para Nani. Mas Casillas se antecipou para fazer a defesa. Depois, já pela direita, ele chutou rasteiro e mandou rente à trave do goleiro do Real Madrid. Quando tentou de falta - uma de suas principais armas -, foi pouco eficiente e acertou a barreira.

A Espanha até voltou com a mesma formação para o segundo tempo, mas não demorou nem dez minutos para Vicente Del Bosque trocar Negredo por Fabregas. Pouco depois, o treinador ainda tirou o apagado David Silva para promover a entrada de Jesús Navas. Pouco adiantou.

Portugal, por sua vez, diminuiu o ritmo e também passou a incomodar menos. Cristiano Ronaldo acionava Hugo Almeida, que tentou três vezes, mas mandou todas para fora. O próprio atacante do Real Madrid tentou de falta, que desta vez passou rente ao gol de Casillas. O astro ganhou novo companheiro de ataque quando Paulo Bento colocou Nelson Oliveira entrou. Mas, a exemplo de como foi com a Espanha, a mudança pouco adiantou.

Sem brilho, as equipes pouco produziram e o duelo foi para a prorrogação, e então foi a Espanha quem esteve perto de marcar. Após um belo lance de Pedro - que entrou no final do jogo no lugar de Xavi -, Jordi recebeu e cruzou rasteiro para a área. A bola passou por todo mundo, mas nenhum espanhol mandou para a rede. Sergio Ramos, de falta, também quase abriu o placar. Nos pênaltis, Rui Patrício defendeu tiro de Xabi Alonso e Casillas parou João Moutinho. Mas Portugal foi eliminado quando o zagueiro Bruno Alves acertou a trave.

-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-


Local: Donbass Arena, em Donetsk (Ucrânia)
Data: 27 de junho de 2012, quarta-feira
Árbitro:Cüneyt Çakir (Turquia)
Cartões amarelos: João Pereira, Pepe, Fabio Coentrão e Miguel Veloso (Portugal); Arbeloa, Sergio Ramos, Bosquets e Xabi Alonso (Espanha)

Pênaltis: Portugal: Converteram: Pepe e Nani. Perderam: João Moutinho e Bruno Alves
Espanha: Converteram: Iniesta, Piqué, Sergio Ramos e Fabregas. Errou: Xabi Alonso

Portugal: Rui Patrício, João Pereira, Pepe, Bruno Alves e Fábio Coentrão; Miguel Veloso (Custódio), Raúl Meireles (Varela) e João Moutinho; Nani, Cristiano Ronaldo e Hugo Almeida (Nelson Oliveira). Técnico:Paulo Bento.

Espanha: Iker Casillas, Arbeloa, Gerard Piqué, Sergio Ramos e Jordi Alba; Sergio Busquets, Xabi Alonso, Xavi (Pedro) e Andrés Iniesta; Cesc Negredo (Fábregas) e David Silva (Jesús Navas). Técnico: Vicente Del Bosque.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias