São Paulo

Ceni festeja volta, mas nega ser 'salvador da pátria'

Para ele, o time precisa acreditar na possibilidade de brigar diretamente pelo título do Campeonato Brasileiro

AE
AE
Publicado em 27/07/2012 às 13:25
Leitura:

Pouco depois de ter o seu retorno ao gol do São Paulo confirmado pelo técnico Ney Franco para o jogo deste domingo (29), contra o Flamengo, no Morumbi, Rogério Ceni comemorou o fato na manhã desta sexta-feira, no CT da Barra Funda. Recuperado de uma cirurgia no ombro realizada no final de janeiro, o goleiro retomou o posto de titular com um discurso confiante, enfatizando que o time precisa acreditar na possibilidade de brigar diretamente pelo título do Campeonato Brasileiro, mas ressaltou também que não pode ser visto como "salvador da pátria" em meio a este momento instável vivido pela equipe.

"Fico feliz de estar voltando, nesta sexta-feira (27) faz exatos seis meses que operei, fico feliz em ter treinado, participado e contado com a colaboração de todos. Será muito emocionante, espero que eu possa voltar bem, sem lesões. A gente sente falta, foi a pausa mais longa da minha carreira e quando você se machuca uma parte de si morre junto. Mas vamos tentar transformar isso em vitória no domingo, o Flamengo está em um momento relativamente parecido com o nosso", afirmou Rogério Ceni, em entrevista coletiva.

Rogério também voltará ao time titular para retomar o papel de principal líder do São Paulo dentro de campo, mas lembrou que não pode carregar nos próprios ombros a responsabilidade de reconduzir o time ao caminho das vitórias e dos títulos.

"Não sou o salvador da pátria, sou mais um jogador tentando ajudar. Faltam experiência em alguns setores, carência. Mas eu não vou resolver tudo sozinho, minha volta não garante nada. Se não corrermos, marcarmos, jogarmos e trazermos o torcedor para o nosso lado, não vai adiantar nada. Sou mais um jogador, mas falar (como um líder em campo) é uma coisa importante", completou.

Já ao falar sobre como estão as suas condições físicas depois de seis meses afastado das partidas, o ídolo são-paulino garantiu estar pronto para atuar e lembrou que chegou a hora de os jogadores exibirem uma postura vencedora dentro de campo para poderem vislumbrar grandes objetivos.

"Me sinto bem, fazendo os movimentos. Acho que é a idade, você perde um pouco do vigor físico, mas ganha em experiência. Fiz todos os exames e teste e está tudo equilibrado e na média dos demais, isso me deixa tranquilo. A responsabilidade é de todos, de quem entra em campo e está no banco e pode resolver. Jogar no São Paulo é uma responsabilidade, fazemos uma campanha média, mas quem joga aqui não pode buscar ser mediano, e sim a ponta da tabela. Quanto maior a expectativa gira ao seu redor, maior a responsabilidade", ressaltou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias