Em São Paulo

Operário morre no Itaquerão

Fábio Hamilton da Cruz, de 23 anos, morreu neste sábado (29/3) enquanto trabalhava nas obras das arquibancadas provisórias do estádio da abertura da Copa

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 29/03/2014 às 20:26
Leitura:

O operário Fábio Hamilton da Cruz, de 23 anos, morreu neste sábado (29/3) enquanto trabalhava nas obras das arquibancadas provisórias do estádio Itaquerão, em São Paulo, que receberá seis jogos da Copa do Mundo de 2014, incluindo o da abertura, entre Brasil e Croácia. O acidente aconteceu de manhã. 

O operário foi levado ao hospital Santa Marcelina e entrou no centro cirúrgico, às 11h30. Por volta das 16h30, a assessoria do hospital confirmou a morte de Fábio. O trabalhador teve múltiplas fraturas, a mais grave delas um traumatismo crânio-encefálico, não resistindo à gravidade do acidente. Essa foi a oitava morte nos estádios da Copa.

A empresa Fast Engenharia, que tinha contratado a empresa WDS, à qual Fábio é ligado, para erguer as arquibancadas provisórias, afirmou que a queda foi de uma altura de oito metros. Antes, o Corpo de Bombeiros havia divulgado que o trabalhador caiu de 15 metros. 

Segundo informação de um policial, Fábio teria  se desequilibrou no momento em que estava montando o tablado da estrutura temporária. De acordo com a Fast, o trabalhador usava os equipamentos obrigatórios de segurança. 

Apesar do acidente, os operários continuaram trabalhando normalmente – o estádio é um dos mais atrasados. Só a área em que Fábio caiu foi isolada por policiais militares. 

A arena corintiana tem 48 mil assentos, mas para receber o primeiro jogo do Mundial serão instalados mais 20 mil assentos temporários. O clube decretou luto de três dias. 

O acidente de ontem não foi o primeiro nas obras Itaquerão. Em 27 de novembro de 2013, dois trabalhadores morreram durante uma falha na instalação de uma peça da cobertura do estádio. O guindaste que içava a peça desabou durante a instalação. Partes da estrutura atingiram e mataram os operários Fábio Luiz Pereira, de 42anos, e Ronaldo Oliveira dos Santos, 44. 

OUTRAS MORTES

Além dessas mortes em São Paulo, outras duas arenas da Copa registraram óbitos em suas obras. Em Manaus, quatro operários faleceram em 2013. Em Brasília, foi registrada a primeira tragédia, em junho de 2012.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias