Seleção

Zagueiro Dante admite que não espera voltar à seleção

Derrota da seleção brasileira por 7x1 marcou negativamente o zagueiro do Bayern

Danilo Galindo
Danilo Galindo
Publicado em 15/10/2014 às 12:30
Foto: Rafael Ribeiro/ CBF
Derrota da seleção brasileira por 7x1 marcou negativamente o zagueiro do Bayern - FOTO: Foto: Rafael Ribeiro/ CBF
Leitura:

A histórica derrota por 7 a 1 para a Alemanha nas semifinais da última Copa do Mundo deve ter sido a última partida do zagueiro Dante com a camisa da seleção brasileira. Pelo menos é no que acredita o próprio jogador, que admitiu não ter esperanças de voltar a vestir a camisa amarela nesta nova fase da equipe, sob o comando do técnico Dunga.

Aos 30 anos, Dante acredita que a idade é um fator fundamental para que ele não tenha sido chamado por Dunga em suas primeiras convocações. "Vou fazer 31 (anos) em breve e o Dunga precisa mudar alguma coisa. Na próxima Copa, terei 34 anos. Alcancei meu sonho ao disputar a Copa deste ano e não necessariamente espero voltar à seleção brasileira", disse, em entrevista publicada nesta quarta-feira na revista Sport Bild.

Após anos de destaque no futebol alemão, pelo Borussia Mönchengladbach e o Bayern de Munique, Dante se tornou presença constante nas convocações de Luiz Felipe Scolari. Desde que Dunga assumiu, no entanto, o zagueiro não foi lembrado nas duas convocações feitas para os amistosos contra Colômbia e Equador, e depois Argentina e Japão.

E a última lembrança dele com a camisa brasileira ainda o marca. A goleada na semifinal do Mundial rendeu muitas brincadeiras do povo alemão com o zagueiro, que vive no país europeu há cinco anos. Conhecido por seu bom humor, Dante, no entanto, não tem levado os comentários muito bem.

"Eu estava entre os culpados, então toda vez que me viam, as pessoas achavam que podiam fazer piada com o 7 a 1. Embora eu sempre leve as brincadeiras com bom humor, para mim a diversão havia acabado", comentou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias