corrupção

Blatter depõe na Fifa e acredita em decisão favorável

Blatter não quis falar com a imprensa quando deixou a sede da Fifa em Zurique

Da AFP
Da AFP
Publicado em 17/12/2015 às 17:10
Foto: PHILIPPE DESMAZES AFP
Blatter não quis falar com a imprensa quando deixou a sede da Fifa em Zurique - FOTO: Foto: PHILIPPE DESMAZES AFP
Leitura:

Joseph Blatter, presidente demissionário da Fifa, espera "uma decisão favorável", depois de ser interrogado por cerca de oito horas pelos responsáveis da justiça interna da entidade, segundo um comunicado divulgado pelo advogados do suíço.

"Esta investigação deve ser encerrada e a suspensão retirada", escreve no texto.

Blatter, atualmente suspenso até 5 de janeiro, está sendo investigado pelo polêmico pagamento de 1,8 milhões de euros a Michel Platini, presidente da Uefa, em 2011, e por um contrato de venda de direitos de transmissão que supostamente seria prejudicial à Fifa.

"Foi provado que o presidente Blatter se comportou como devia e que não violou o código de ética da Fifa", garantem os advogados do dirigente suíço.

Blatter não quis falar com a imprensa quando deixou a sede da Fifa em Zurique, onde foi ouvido pela Comissão de Ética por cerca de oito horas, constatou a AFP.

Platini está agendado para ser ouvido nesta sexta-feira diante da mesma Comissão de Ética, mas na quarta o presidente da Uefa anunciou que não estará presente e que será representado pelos advogados.

Platini quer assim protestar contra um procedimento que considera "unicamente político e direcionado para impedir" que possa se apresentar nas eleições presidenciais da Fifa, que serão realizadas em 26 de fevereiro.

Tanto Blatter como Platini poderiam ser banidos da Fifa à vida ou suspensos por alguns anos.

 

- Um panorama sombrio -

Desde as polêmicas declarações de um porta-voz da Câmara de Acusação da Fifa na última sexta-feira, poucos parecem duvidar que haverá uma punição importante: "Platini vai certamente ser suspenso por vários anos e, em relação a Blatter, não há diferença entre uma suspensão por vários anos ou uma suspensão à vida", em função da idade do suíço.

O presidente russo, Vladimir Putin, mostrou seu apoio a Blatter no mesmo dia em que o dirigente compareceu perante a Comissão de Ética. "Sua contribuição na esfera humanitária tem sido colossal (...) É alguém que deveria receber o Prêmio Nobel da Paz", elogiou o mandatário russo.

Uma decisão é esperada para o dia 21 de dezembro e as consequências não são as mesmas para os dois dirigentes envolvidos. Blatter esperava estar no cargo até 26 de fevereiro, dia da nova eleição, enquanto Platini, de 60 anos, quer ser candidato à presidência da Fifa, cargo para o qual era o grande favorito antes de ser envolvido em polêmicas.

Blatter, que afirmou sentir-se numa "inquisição", se apresentou voluntariamente nesta quinta-feira.

"No futebol, nunca na minha vida eu fiz algo que minha consciência poderia lamentar, quando se fala de ética, nem no âmbito legal, quando se fala em penalidades", declarou o suíço ao jornal francês Libération, em entrevista publicada na quarta-feira.

 

- Boicote de Platini -

Platini, por sua vez, decidiu não fazer parte de um jogo que ele não considera justo. Por isso, não irá depor na sexta-feira.

"Com esta decisão, Michel Platini pretende mostrar sua mais profundo indignação diante de um processo que considera como unicamente político e direcionado para impedi-lo de se apresentar nas eleições da Fifa", explicaram seus advogados à AFP, na quarta-feira.

O ex-jogador francês considera que "o veredito já foi anunciado à imprensa por um dos porta-vozes" da justiça interna da Fifa e que vai contra "a presunção de inocência".

O presidente da Uefa, caso receba dura punição, pode recorrer diretamente diante do Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), maior instância do esporte e com sede em Lausana, sem passar pela etapa de apelação na justiça da Fifa.

Com isso, ganharia tempo, algo especialmente valioso para o dirigente francês neste momento, mas o TAS explicou que, para tratar diretamente com o órgão, a Fifa teria que estar de acordo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias