ESPERA

Barcelona aguarda depósito do cheque para liberar documentos de Neymar

O time espanhol informou que o cheque de 222 milhões de euros ainda não foi de fato depositado

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 09/08/2017 às 19:31
LIONEL BONAVENTURE / AFP
O time espanhol informou que o cheque de 222 milhões de euros ainda não foi de fato depositado - FOTO: LIONEL BONAVENTURE / AFP
Leitura:

O Barcelona aguarda que o cheque de 222 milhões de euros entregue pelo Paris Saint-Germain (PSG) como multa rescisória de Neymar seja de fato depositado para enviar à Real Federação Espanhola de Futebol a documentação que permitirá ao craque estrear em seu novo clube. A informação foi confirmada nesta quarta-feira pelo clube catalão e esclarece a razão pela qual o Certificado de Transferência Internacional (CTI) ainda não foi enviado à Liga de Futebol Profissional (LFP) da França, entidade que cogita apelar à Fifa em favor do brasileiro. 

A controvérsia em torno da documentação de Neymar vem crescendo à medida que o final de semana se aproxima. A ideia inicial do PSG era fazer com que o atacante estreasse na segunda rodada do Campeonato Francês, no domingo à noite, contra o modesto Guingamp. Mas, como aconteceu no final de semana passado, o clube parisiense pode não contar com o atleta por falta de condições legais.

Segundo o jornal espanhol Mundo Deportivo e a rádio catalã RAC1, ambos próximos ao Barcelona, a direção do clube espera que o cheque do PSG se transforme em dinheiro na conta para emitir os documentos que a Federação Espanhola precisa para enviar o certificado de transferência a Paris. O Barcelona tem até o dia 18 de agosto para enviar a documentação sem ser punida pela Uefa, mas o PSG tem pressa: o clube precisa que os documentos cheguem à FFF até as 23h59 de sexta-feira para que Neymar tenha chance de estrear no domingo. Nesta quinta, a federação confirmou ao Estadoque ainda não há condições legais para o registro do atleta.

Mas, para acelerar o processo, a Liga de Futebol Profissional da França pode ir à Fifa nas próximas horas em protesto contra a demora da Liga Espanhola, reclamando o envio do certificado de transferência de Neymar. Fontes próximas à Fifa indicaram ao Estado que, de fato, os advogados da LFP já teriam iniciado contatos para lançar a queixa formal e, assim, obter algum tipo de respaldo internacional diante do investimento inédito no futebol.

BUROCRACIA

Para que uma transferência entre dois times de diferentes países possa ocorrer, o contrato com os dados sobre os valores e os interessados precisa passar pelo recém-criado sistema da Fifa. Nela, todos os registros eletrônicos de todos atletas são incluídos. É justamente esse sistema que precisa dar o sinal verde para que um jogador possa oficialmente jogar por um clube de outro país. 

Com o processo burocrático completado, comprovantes dos pagamentos feitos pela transferência do jogador ficam depositados nos registros da Fifa. Com isso, a esperança da entidade é a de ter o mínimo controle sobre o que o futebol movimenta no mundo e, em caso de uma disputa, servir como depositário de todas as informações sobre o jogador, seus ex-clubes e valores. 

Apesar do gesto da LFP, advogados de Neymar confirmaram ao Estado que um eventual caso na Fifa apenas poderia ser lançado pelo próprio jogador e seus representantes. Por enquanto, segundo eles, não haveria uma urgência em recorrer à instância máxima do futebol mundial. Procurada oficialmente, a Fifa ainda não deu uma resposta sobre como pretende atuar no caso Neymar. 

Além do atrito com a liga, Neymar em pessoa estaria cogitando acionar a Fifa para receber o prêmio de 26 milhões de euros a que teria direito do Barcelona, um valor que não foi pago porque o time catalão reclama do rompimento do contrato por parte do brasileiro. O caso seria encaminhado à Câmara de Litígios da federação internacional. O PSG, que mantém a discrição sobre os dois litígios, por ora não confirma.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias