Opinião

Romário diz que é 'mais difícil' Neymar ser o melhor do mundo no PSG

Na visão de Romário, Neymar se afastou de Cristiano Ronaldo e Messi

Davi Saboya
Davi Saboya
Publicado em 05/09/2017 às 17:02
Foto: Divulgação/PSG
Na visão de Romário, Neymar se afastou de Cristiano Ronaldo e Messi - FOTO: Foto: Divulgação/PSG
Leitura:

O ex-atacante Romário não acredita que a escolha de Neymar pelo Paris Saint-Germain (PSG) foi o melhor caminho para o camisa dez do Brasil ser eleito o melhor jogador do mundo. Em entrevista ao jornal "EL País", o atual senador da República ressaltou que o brasileiro se afastou do português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi.

“É muito difícil falar. Pelo que tenho lido e ouvido, ele está feliz no PSG. E nada melhor para um jogador que estar feliz em seu ambiente de trabalho. Torço para que ele seja ainda mais feliz. Mas tenho certeza que vai ser muito mais difícil para o Neymar ser o melhor do mundo jogando pelo PSG do que pelo Barcelona. Entendo que hoje ele já tem condição de ganhar, mas, após essa transferência, o Neymar ficou mais longe do prêmio”, afirmou.

Com a justificativa de que não tem acompanhado o futebol, Romário evitou comentar sobre o atual momento de Neymar, aos 25 anos. Ele ainda destacou que o Barcelona perdeu força no cenário europeu com a quebra do trio de ataque MSN (Messi, Suárez e Neymar).

“Não tenho acompanhando muito futebol nos últimos anos. Mas o Barcelona enfraqueceu com a saída do Neymar. Quando a gente fala de Campeonato Espanhol, é aquela coisa: brigam pelo título Barcelona e Real Madrid. Às vezes entra um Valencia ou um Atlético de Madri nessa disputa. Só que, para disputar a Champions League, o Barcelona precisa se reforçar e escolher melhor seus jogadores. Caso contrário, não vai longe”, disse.

PASSADO

Romário lembrou que trocou o Barcelona pelo Flamengo em 1995 com argumento de "ser mais feliz". Fato que ele destacou não ter nenhum arrependimento.

“Só troquei o Barcelona pelo Flamengo para ser mais feliz. Saí do maior time do mundo para jogar no maior da América. Sempre fui feliz em Barcelona. Mas, passada a Copa do Mundo [de 1994], pelo acolhimento que tive das pessoas ao voltar para casa com um título mundial depois de 24 anos, eu tive certeza de que seria muito mais feliz no Rio de Janeiro. Não me arrependo nenhum pouco de ter saído do Barça. Faria de novo”, finalizou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias