Luto

Morre Luis Cavalcante, o comentarista da palavra abalizada

Seu Luis, como era conhecido, nasceu na Bahia e viveu a maior parte da vida em Pernambuco

Davi Saboya
Davi Saboya
Publicado em 03/11/2017 às 19:55
Foto: Reprodução
Seu Luis, como era conhecido, nasceu na Bahia e viveu a maior parte da vida em Pernambuco - FOTO: Foto: Reprodução
Leitura:

Atualizada às 22h40

O dia 3 de novembro de 2017 será a data em que a crônica esportiva não terá como abalizar as palavras à altura do radialista Luis Cavalcante, que faleceu nesta sexta-feira (3), aos 87 anos, no Hospital Albert Sabin, Ilha do Leite. Baiano de origem e pernambucano de coração, “Seu Luis” ficou conhecido como o comentarista da palavra abalizada. O enterro será neste sábado (4), no Cemitério de Santo Amaro, área central do Recife, pela manhã (a família ainda não definiu o horário).

>> Documentário relembra carreira de Luis Cavalcante

>> Amigos lembram importância de Luis Cavalcante para a crônica esportiva

Foram 60 anos dedicados ao rádio esportivo, desde 1955 em Pernambuco. Luis Cavalcante teve cinco passagens pela Rádio Jornal, totalizando 34 anos de dedicação à casa. Diabético, ele lutava contra câncer de pulmão. Deixou a esposa, dois filhos, seis netos e seis bisnetos. 

HISTÓRIA

Nascido em Ilhéus, no interior da Bahia, Luis Cavalcante começou na Rádio Cultura, de sua cidade natal, em 1952, como narrador. “Eu quis fugir, mas ficou todo mundo olhando para minha cara e fiquei ali. A narração era em dupla, cada um ficava com um lado do campo. Quando a bola passou para o meu lado, travou a garganta e não consegui falar. Fiquei com raiva de mim mesmo e disse: vou narrar. E narrei. Foram quase três anos lá”, afirmou Seu Luis, em documentário produzido pelos jornalistas André Fontes e Ricardo Baroni, de 2014.

Luis Cavalcanti - O Comentarista da Palavra Abalizada from Ricardo Baroni on Vimeo.

Em 1955, Lula, como era chamado pelos mais íntimos, desembarcou no Recife para assumir a função de narrador na Rádio Olinda. Onde ficou por uma década. Foi na Rádio Jornal, quando chegou em 1965, que ganhou a alcunha de “comentarista da palavra abalizada”, já na nova função. Especialmente pelo jeito tranquilo de analisar jogos. Mesmo quando precisava ser duro.

O bordão não era à toa. Poucos contestavam os comentários de Luis Cavalcante. “Quando eu circulava pela cidade, andava pelas três torcidas. As pessoas me paravam para falar, traziam o filho para tirar foto... Sempre tive um bom relacionamento com todo mundo, jogadores, diretores e companheiros de profissão.”

De 1966 a 1972, Seu Luis foi o presidente da Associação de Cronistas Desportivos de Pernambuco. Ficou marcado na entidade. Sendo o responsável pela compra das salas em que funciona até hoje o órgão, na Rua Solimões, no Bairro do Santo Antônio.

Com seis Copas do Mundo no currículo, Luis Cavalcanti cobriu o melhor momento da seleção brasileira. “Eu narrei a fase áurea de Pelé e Coutinho no Santos, Garrincha e Nilton Santos no Botafogo”, pontuou.

Mas se engana quem pensa que Luis Cavalcanti era só futebol. Boêmio, com rico vocabulário e vasto repertório cultural, Seu Luís era amante do frevo. Dono dos títulos de cidadão recifense e cidadão pernambucano, foi co-autor de um frevo canção e um frevo de bloco.

A importância de Lula para a crônica esportiva de Pernambuco e do Brasil está eternizada no livro “O Mestre da Bola no Ar”, do jornalista Jota Alcides, lançado em 2014, pela Editora Bagaço.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias