ESPORTES EM PAUTA

Recife é palco de congresso internacional de esportes

Nomes importantes do futebol nacional estão participando das mesas que acontecem na Universo

JC Online
JC Online
Publicado em 06/12/2017 às 18:01
Lana Pinho/Divulgação
Nomes importantes do futebol nacional estão participando das mesas que acontecem na Universo - FOTO: Lana Pinho/Divulgação
Leitura:

Violência entre torcidas, saúde esportiva e inovações no futebol são algumas das temáticas abordadas no I Congresso Internacional de Esportes de Pernambuco (CIEPE), que começou na última terça-feira e se encerra nesta quinta-feira no Recife. As mesas de discussões acontecem na Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO), na zona Sul da capital pernambucana. Os debates começam às 10h e vão até às 12h30, quando há a pausa para o almoço. Retornam às 15h e e acabam às 17h30. As inscrições podem ser feitas no www.ciepe.com.br e os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

Nomes importantes das respectivas áreas compõem o evento. Ricardo Rocha, ex-Santa Cruz e campeão do mundo em 1994, Eduardo Araripe, doutor em antropologia e especialista em gestão de grandes eventos, e Matheus Costa, técnico que subiu o Paraná Club para a Série A em 2017 falaram nos dois primeiros dias. Fábio Leite (representante do Museu do Benfica de Portugal) e Eric Klug (diretor do Museu do Futebol, em São Paulo) também foram convidados e palestram nesta quinta, ao lado de outras pessoas. O assunto discutido no último dia será economia e negócios no futebol.

DISCURSOS APRESENTADOS

Ex-técnico do Paraná (teve seu desligamento anunciado pelo clube na segunda-feira), Matheus falou sobre a experiência de ter conseguido o acesso à Primeira Divisão com apenas 30 anos. Contou sobre os desafios e segredos que cercaram a trajetória paranista na Série B. Ele era auxiliar do então técnico tricolor Lisca (ex-Náutico) e assumiu o cargo após a sua demissão. Já Ricardo Rocha lembrou da experiência como jogador de futebol. Um dos principais pontos da sua fala foi sobre a Copa do Mundo de 1994, vencida pelo Brasil após 24 anos de jejum. Procurou trazer mensagens de apoio e superação para o público presente na universidade.

O CIEPE também prestará homenagem póstuma ao radialista Luís Cavalcante, que faleceu em novembro passado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias