Desvantagem

De ressaca e desfalcado, Bahia perde para o Blooming na Sul-Americana

Bahia não participava da Sul-Americana desde 2015, quando foi eliminado pelo Sport após derrota por 4x1

Vinícius Barros
Vinícius Barros
Publicado em 12/04/2018 às 8:45
Aizar Raldes/AFP
Bahia não participava da Sul-Americana desde 2015, quando foi eliminado pelo Sport após derrota por 4x1 - FOTO: Aizar Raldes/AFP
Leitura:

Ainda de ressaca pela conquista do 46.º título do Campeonato Baiano e com muitos desfalques, o Bahia não teve uma boa estreia na Copa Sul-Americana. Nesta quarta-feira perdeu para o Blooming por 1 a 0, no estádio Ramón Tahuichi Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, pela primeira fase. Os dois times voltam a se enfrentar no dia 8 de maio, na Arena Fonte Nova, em Salvador, com o time brasileiro precisando vencer por dois ou mais gols de diferença. E sem tomar gol em casa, que é critério para desempate.

Após o desgaste nos primeiros meses e, principalmente, nos dois duelos contra o rival Vitória, o técnico Guto Ferreira optou por poupar alguns jogadores. Ficaram de fora o lateral-direito Léo, o zagueiro Tiago e os volantes Gregore e Elton, além do meia Vinícius. Com dores musculares, Lucas Fonseca também nem viajou com a delegação.

Mas a torcida espera uma boa campanha do time nesta volta à competição continental, que não participava desde 2015, quando foi eliminado pelo Sport. Só que vai ter que melhorar no jogo de volta, provavelmente utilizando todos seus titulares.

O JOGO

O primeiro tempo foi equilibrado. O Bahia começou melhor, mas o time boliviano reagiu. Cada equipe teve duas boas chances de gols, com participações decisivas dos dois goleiros - Douglas, pelo Bahia, e Hugo Suárez, pelo Blooming.

No segundo tempo, o Bahia ameaçou duas vezes, porém sofreu o gol muito cedo, aos quatro minutos. Após cruzamento da esquerda, Leonardo Vaca desviou de cabeça e Douglas rebateu. O atacante foi esperto e mesmo agachado tocou levemente para as redes.

Mostrando cansaço, o Bahia não mostrou forças para reagir. Além disso, correu o risco de sofrer mais gols. Mesmo assim ficou em condições de tentar reverter o placar na capital baiana, onde pelo menos não vai ter que ouvir a irritante sirene que soou nas arquibancadas por quase todo o jogo na Bolívia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias