Copa do Nordeste

Com três pernambucanos, Copa do Nordeste 2019 terá sorteio nesta quinta

Após mudança que estimulará clássicos, os dois grupos do Nordestão serão sorteados em Maceió

Diego Toscano
Diego Toscano
Publicado em 04/10/2018 às 7:08
Alexandre Gondim/JC Imagem
Após mudança que estimulará clássicos, os dois grupos do Nordestão serão sorteados em Maceió - FOTO: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

Pouco menos de três meses após a final de 2018, a Copa do Nordeste volta aos holofotes. Nesta quinta (4), a partir das 19 horas, em Maceió, serão sorteados os grupos da edição 2019 do torneio. Com mudança fundamental na tabela, que permitirá mais clássicos locais, Santa Cruz, Náutico e Salgueiro vão em busca do quinto título de Pernambuco na competição.

Maceió será a sétima cidade nordestina a receber o sorteio da Copa do Nordeste após o retorno da competição ao calendário oficial da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), há seis anos. Fortaleza (2012), Salvador (2013), Recife (2014), Natal (2015), João Pessoa (2016) e São Luís (2017) também já participaram da festa do maior regional do Brasil.

Em 2019 serão 16 clubes disputando a competição, divididos em quatro potes de acordo com o ranking da CBF. Essa divisão, inclusive, afeta na parte financeira. Os cabeças de chave serão Vitória (18º lugar), Bahia (21º), Santa Cruz (25º) e Ceará (27º). Os quatro receberão R$ 1,9 milhão. No pote B e com cota de R$ 1,42 milhão estarão ABC (31º), Náutico (32º), CRB (36º) e Sampaio Corrêa (39º). No chaveamento C, Fortaleza (42º), Botafogo-PB (45º), Salgueiro (51º) e Confiança-SE (54º) faturam R$ 1,22 milhão na fase de grupos. Por fim, com R$ 510 mil de cota e no pote D, CSA (59º), Moto Club-MA (66º), Altos-PI (98º) e Sergipe (99º).

Campeão em 2018, o Sampaio Corrêa colocou o Maranhão no mapa dos vencedores do Nordestão. Os baianos lideram a disputa, com sete taças. São quatro do Vitória (1997, 1999, 2003 e 2010) e três do Bahia (2001, 2002 e 2017). Pernambuco vem logo atrás com quatro, sendo três do Sport (1994, 2000 e 2014) e uma do Santa Cruz (2016). Por fim, os cearenses (Ceará, 2015), paraibanos (Campinense, 2013) e potiguares (América-RN, 1998) fecham a lista.

A principal mudança de 2019 será o formato da fase classificatória. Antes com quatro, agora serão apenas duas chaves, com todas as equipes do Grupo A enfrentando as do Grupo B. Além disso, times do mesmo estado não podem ficar do mesmo lado. Com isso, serão valorizados os duelos locais: deveremos ter seis clássicos estaduais só na primeira fase, além de várias rivalidades regionais.

“Esse ano a competição vem com formato diferente. São dois grupos com oito equipes cada. Um (de maior expressão) por estado em cada grupo para ter o confronto local e gerar mais clássicos. Acreditamos que assim a audiência, que já foi boa, vai se tornar melhor ainda com esses jogos mais atrativos na primeira fase. Partidas mais chamativas para o torcedor, que colocará os estádios com mais pessoas e ajudarão na audiência da TV”, afirmou Vladimir Melo, diretor da TV Jornal, uma das afiliadas do SBT Nordeste e que detém os direitos de transmissão da competição com exclusividade em Pernambuco.

NÁUTICO E SANTA

Ainda sem passar da fase de grupos desde a volta da Copa do Nordeste, em 2013, o Náutico projeta voos mais altos no Nordestão do próximo ano. “Vamos entrar para sermos campeões. É uma das nossas prioridades no ano de 2019. A gente precisa ganhar um título a nível regional ou nacional. Prometemos um time aguerrido, forte e vamos pagar em dia, como foi em 2018”, afirmou o presidente Edno Melo.

Campeão em 2016, o Santa Cruz chega num novo momento na competição. Mas nem por isso vai deixar de lutar pelo bi. “Tem que entrar forte por causa da camisa, tradição, torcida e pelo que o torneio representa. Claro que é um momento diferente. Estamos na Série C. Mas nem por isso vamos diminuir o nível de competitividade. Tradição e história entram em campo. Vamos fortes”, afirmou o presidente Constantino Júnior.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias