Ex-jogador

Juninho Pernambucano diz ter sofrido censura em primeira entrevista após sair da SporTV

Ex-meia deixou a emissora carioca após discordar da postura da empresa

JC Online
JC Online
Publicado em 05/10/2018 às 15:38
Reprodução
Ex-meia deixou a emissora carioca após discordar da postura da empresa - FOTO: Reprodução
Leitura:

Em entrevista ao jornal El País, o ex-jogador Juninho Pernambucano falou pela primeira vez após deixar a SporTV, em maio deste ano. Além de falar da saída da emissora carioca, também comentou sobre assuntos relacionados à imprensa esportiva do Brasil e ao posicionamento político dos jogadores de futebol.

Tecendo mais detalhes sobre a saída da SporTV e a nota que foi lida ao vivo contra uma opinião emitida por ele sobre o comportamento dos setoristas de clubes, Juninho afirma ter sofrido censura ao vivo e que ninguém o defendeu.

LEIA MAIS:
> Juninho PE vai à delegacia prestar queixa de ameaças de redes sociais

> Juninho Pernambucano detona Galvão Bueno por críticas a Neymar

> Juninho Pernambucano relata ameaças de morte nas rede sociais

"Fui censurado na Globo por denunciar que tinha setorista vendido, que se envolve com sacanagem (...). Nenhum jornalista me defendeu. Pelo contrário, ainda fui humilhado (...)" disse Juninho em um dos trechos da longa entrevista. Em vários deles, criticou a imprensa abertamente. Em nota para o El País, a Globo negou a censura em nota.

O ex-jogador ainda pontuou que esse não foi o único problema que teve na emissora. Ele afirma que chegou a brigar com repórter e narradores, sem citar nomes. "Mas briguei com os três principais narradores e o principal repórter da casa. Briga grande, discussão pesada, de apontar o dedo na cara e tudo mais em reuniões. Só não teve vias de fato", afirmou.

FUTURO, POLÍTICA E PRECONCEITO

Sobre o futuro, o ex-jogador declara que não se sente a vontade para trabalhar com o futebol novamente. Afirma estar procurando o caminho. Juninho ainda criticou jogadores e ex-jogadores que se posicionam a favor de candidatos de direita. O argumento é que muitos dos jogadores de futebol vieram de classes mais pobres.

"Me revolto quando vejo jogador e ex-jogador de direita. Nós viemos de baixo, fomos criados com a massa. Como vamos ficar do lado de lá?", pontuou o pernambucano, que também criticou o preconceito sofrido por ele e outros atletas que são nordestinos. "Quem joga futebol escuta muita coisa preconceituosa, dentro e fora do estádio, incluindo a análise da imprensa. Não se faz a crítica técnica, mas humilhando o jogador", declarou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias