amitosos

Seleção mira início de sequência positiva diante da Coreia do Sul

A seleção brasileira enfrentará a Coreia do Sul nesta terça-feira com o objetivo de encerrar a sequência negativa

Gabriela Máxima
Gabriela Máxima
Publicado em 19/11/2019 às 8:25
Notícia
Lucas Figueiredo/CBF
A seleção brasileira enfrentará a Coreia do Sul nesta terça-feira com o objetivo de encerrar a sequência negativa - FOTO: Lucas Figueiredo/CBF
Leitura:

O Brasil tentará encerrar a sequência de resultados negativos em confronto com a Coreia do Sul, em amistoso que será disputado nesta terça-feira, às 10h30, no estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dhabi,  nos Emirados Árabes Unidos. O Escrete de Ouro da Rádio Jornal transmitirá a partida.

Após conquistar a Copa América em casa, em julho, a seleção acumula cinco jogos sem vencer, somando duas derrotas (contra Peru e Argentina) e três empates (contra Colômbia, Senegal e Nigéria). A seca de vitórias aumentou a pressão sobre o técnico Tite, cada vez mais questionado pelas más atuações e a falta de resultados. Sem Neymar, que se lesionou no amistoso de outubro contra Senegal, o Brasil segue buscando outro jogador que possa fazer a diferença no ataque.

5 MUDANÇAS

Para a última partida do ano e para a eliminatória da Copa do Catar, Tite prepara uma pequena revolução com cinco mudanças. A única troca forçada é a entrada do lateral Renan Lodi no lugar de Alex Sandro, que se lesionou na derrota na derrota por 1x0 contra a Argentina (0-1), na última sexta-feira.

Na zaga, Marquinhos assumirá a vaga de Thiago Silva para jogar ao lado de Eder Militão, enquanto o volante Fabinho substituirá Casemiro.

No ataque, os veteranos Willian e Roberto Firmino dão lugar a Philippe Coutinho e Richarlison. Gabriel Jesus, que perdeu um pênalti contra a Argentina, segue tendo a confiança de Tite entre os titulares.

Na visão do técnico da seleção, a busca pela retomada do bom desempenho – que passa pela inserção de novos jogadores e o ajuste a um esquema tático diferente – geram pressão. Mas não a ponto de trazer uma histeria ao trabalho. “Desesperado não estou. Sou um cara muito feliz e realizado. Sei das pressões, mas não tem desespero. Sou um cara bem resolvido em relação a isso. Tem a busca de fazer um grande jogo, fazer um grande espetáculo, que a gente ganhe e jogue muito”, disse Tite.

Renan Lodi defendeu o trabalho de Tite: "Está sendo bem feito. A derrota para a Argentina doeu muito e em mim doeu triplicado, porque era meu primeiro clássico", disse o lateral do Atlético de Madrid."Tenho certeza que será um jogo totalmente diferente. A vitória será para ele (Tite), que está apoiando todo mundo, é um pai para todos. Essa vitória vai chegar", completou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias