série b

Náutico sai na frente, mas perde para o Guarani por 3x1 e cai para quarto

Jogando na casa do adversário, Timbu acabou derrotado e começa a colocar classificação à Série A em risco

Diogo Menezes
Diogo Menezes
Publicado em 04/10/2011 às 22:38
Foto: Denny Cesare/Futura Press
Jogando na casa do adversário, Timbu acabou derrotado e começa a colocar classificação à Série A em risco - FOTO: Foto: Denny Cesare/Futura Press
Leitura:

Com um primeiro tempo irretocável e uma etapa final para ser esquecida, o Náutico perdeu, de virada, nesta terça-feira (4), para o Guarani, por 3x1, no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas (SP), pela Série B do Brasileiro. O resultado resvalou na colocação do time na Segundona. Há rodadas oscilando entre segundo e terceiro, o Timbu caiu para quarta posição, com 48 pontos. Os alvirrubros voltam a jogar nos Aflitos, no sábado, contra o Icasa (CE).

Se a meta era vencer fora de casa, o Náutico tinha de mostrar a mesma postura de triunfos anteriores longe dos Aflitos. Os alvirrubros entenderam o recado. Bem arrumados, com seus compartimentos em total sintonia, ficou até fácil jogar a etapa inicial. Eduardo Ramos chamou o jogo para si, os atacantes se movimentavam bem, abriam espaços, e quem vinha de trás podia fazer a festa. Tanta disposição surpreendeu os adversários.

O Guarani acuou-se. Enrolou-se até na marcação individual sobre Eduardo Ramos, que em duas oportunidades ?fez fila? e, numa das chances, quase abre o placar. O Bugre era um time de uma nota só. Quando saía, era por ter aproveitado um erro do Náutico, forçando as jogadas nos espaços deixados por Jeff Silva, que dava o bote no meio de campo e abria uma ?avenida? na lateral.

Mesmo quando o Guarani apertou, adiantando a sua marcação, o Náutico mostrou-se sólido. Era como se jogasse nos Aflitos. Ditava o ritmo. Faltava qualidade nos arremates. Isso sim. Rogério, por exemplo, enrolava-se com a bola. Kieza, no entanto, fez valer sua qualidade. Aproveitou um cruzamento de Derley e fez, de carrinho.

Se a cura para todos os males do futebol são os atacantes, o Guarani voltou com três ? Fabinho entrou no lugar de Dadá. O Náutico continuou como estava, pelo menos na formação. Porque em campo, os pernambucanos adotaram a cautela como opção. Ofensivo, os campineiros partiram para cima. Na transpiração. Mesmo todo na defesa, os alvirrubros não conseguiam brecar a velocidade do Bugre. Resultado: num vacilo dentro da área, aos oito, Marcelo Macedo empatou.

Os alvirrubros partiram para cima. Perderam boas oportunidades com Diego Bispo e Rogério. Mas a zaga alvirrubra voltou dissonante. Espaçada em demasia e batendo cabeça. Aos 15, após cruzamento da esquerda, a bola novamente sobrou para Marcelo, livre, fuzilar a meta de Gideão.

Não abdicar de um dos volantes e trocar Philip por Peter e Alexandro por Rogério tiveram sérios danos no setor defensivo e criativo do Náutico. Ainda por cima, logo após os atletas pisarem no gramado,Felipe fez o seu, da pequena área, com o consentimento timbu. O Náutico perdeu força na marcação e a disposição no ataque. Não foi mais acossado, em compensação, entregou os pontos, conformando-se com a derrota.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias