RESPEITO

Jogadores do Náutico pregam respeito antes do clássico

Mesmo há três jogos invictos, alvirrubros não levam o tabu em consideração

Filipe Farias
Filipe Farias
Publicado em 30/01/2016 às 8:16
Foto: JC Imagem
Mesmo há três jogos invictos, alvirrubros não levam o tabu em consideração - FOTO: Foto: JC Imagem
Leitura:

Mesmo sem perder para o Santa Cruz há três partidas (duas vitórias na Série B e um empate no Pernambucano do ano passado), os jogadores do Náutico não querem nem saber de assumir o favoritismo no Clássico das Emoções. Para eles, se tem um time que leva vantagem na partida são os rivais.

"Eles estão na Série A, mantiveram uma base, então são os favoritos. Começam o campeonato com uma equipe que já se conhece, com entrosamento e com um estilo de jogo. Eles entram forte e nós estamos trabalhando pra entrar forte também", disse o atacante Bergson.

Acostumado a disputar os clássicos de Pernambuco, o volante Elicarlos não leva muito em consideração o tabu existente entre as duas equipes. "Isso vai depender dentro das quatro linhas, onde se decide tudo. Então, a gente tem de estar preparados psicologicamente e fisicamente, para ver o que acontece durante os 90 minutos. Sabemos que vai ser difícil, o Santa Cruz é uma equipe forte, mas a gente está ciente do que quer na competição", contou.

Autor de um dos gols da vitória do Náutico por 3x1 sobre o Santa Cruz, no Arruda, pela Série B, o atacante Bergson sabe que para manter o retrospecto positivo diante dos tricolores tem de se dedicar bastante durante os treinamentos, para quando chegar na partida, sair de campo com os três pontos.

"O futebol tem dessas. Ele tem tabu, meta, objetivo, mas clássico é clássico. A nossa equipe tem de fazer o nosso trabalho e estudar bem a tática que vamos usar. Vejo a nossa equipe bem, trabalhando firme e pensando neles. Não tem segredo: é continuar fazendo o que já estamos pra se Deus quiser sair com um bom resultado".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias