Náutico

Edno Melo diz que nunca se reuniu com os outros presidentes para falar sobre organizadas

Edno Melo também disse que estava pronto para encabeçar um movimento contra as organizadas

Lucas Holanda
Lucas Holanda
Publicado em 19/02/2020 às 23:17
Foto: Léo Lemos/Náutico
O presidente do Náutico, Edno Melo, falou sobre a reformulação do elenco ao lado do vice Diogénes Braga - FOTO: Foto: Léo Lemos/Náutico
Leitura:

Na última terça-feira, o juiz Augusto Sampaio Angelim, da 5ª Vara da Fazenda Pública, decretou a extinção compulsória da Torcida Jovem do Sport, da Inferno Coral e da Fanáutico. Essa sentença foi resultado de duas ações movidas pelo Ministério Público de Pernambuco contra os grupos em 2012 e 2014, mas que receberam uma pressão enorme após o ataque de uma organizada do Sport a torcedores comuns do Santa Cruz que comemoravam o aniversário do clube. Em entrevista à Rádio Jornal, o presidente do Náutico, Edno Melo, disse que nunca conversou com Milton Bivar e Constantino Júnior - presidentes de Sport e Santa Cruz, respectivamente - sobre as organizadas, mas se colocou à disposição para o diálogo.

"A gente nunca teve uma reunião para tratar desse assunto especificamente, até porque cada clube tem essa gangue, né, eu não vou chamar de torcida nunca. Eu realmente confesso que nunca tive nenhuma reunião nem com Milton Bivar e nem com Tininho, mas estou aberto a qualquer tipo de ação que seja feita em conjunto. Me coloco, inclusive, para encabeçar esse movimento. Uma das pessoas que levantou a bandeira contra esses grupos que se dizem torcedores fui eu. Já sofri na pele", comentou o presidente.

SOBRE A DECISÃO

Além de falar sobre essa reunião com os clubes, o presidente Edno Melo também aproveitou para comentar sobre a decisão, e frisou que cancelar apenas o CNPJ não resolve. " Não é simplesmente você cancelar um CNPJ, porque a gente está falando de pessoas que vão brigar lá no metrô. O Náutico lá nos Aflitos, o que eu tenho a ver com uma briga lá no metrô? Mas é um começo. Acredito que o pontapé inicial foi dado para terminar com essas gangues organizadas. Já tinha passado da hora do poder público tomar uma ação mais enérgica. O que depender do Náutico, pode ter certeza que a gente vai se colocar à disposição sempre para que as ações de continuidade para que realmente acabem com essas organizadas", pontuou.

Últimas notícias