Lesões

Nos últimos oito anos, 16 jogadores do Náutico lesionaram o ligamento do joelho

Neste período, apenas nos anos de 2013 e 2018 o clube não sofreu com lesões do tipo

Fernando Castro
Fernando Castro
Publicado em 22/02/2020 às 8:43
Notícia
Foto: Léo Lemos/Náutico
Neste período, apenas nos anos de 2013 e 2018 o clube não sofreu com lesões do tipo - FOTO: Foto: Léo Lemos/Náutico
Leitura:

O atacante Matheus Carvalho foi o segundo jogador do Náutico a romper o ligamento cruzado anterior do joelho neste início de temporada. Antes, há menos de um mês, o atacante Álvaro sofreu a mesma lesão. O histórico do clube com esse tipo de contusão é alarmante. A reportagem do Jornal do Commercio fez um levantamento e constatou que nos últimos oito anos, 16 jogadores alvirrubros lesionaram algum ligamento do joelho (confira o histórico completo ao final da matéria).

Com o número elevado, o Náutico tem uma média de dois jogadores com o ligamento do joelho lesionados a cada temporada. Neste período, apenas nos anos de 2013 e 2018 o clube não sofreu com esse problema. Em contrapartida, no ano de 2012, quatro jogadores sofreram baixas semelhantes, número recorde por temporada. Lesões no ligamento do joelho são consideradas as mais graves para um jogador de futebol e o tempo de recuperação estimado é entre seis e oito meses.

A dupla Matheus Carvalho e Álvaro se junta no departamento médico com o zagueiro Camutanga, que rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho em outubro do ano passado, durante o primeiro jogo da final da Série C, contra o Sampaio Corrêa. O defensor alvirrubro fez a cirurgia de reconstrução do ligamento quase dois meses depois e atualmente tem três meses de tratamento. A expectativa é que o jogador retorne aos gramados apenas na disputa da Série B.

Antes do trio, o último jogador do Náutico a romper o ligamento do joelho foi o atacante Gilmar, no estádio Lacerdão, durante a Série B de 2017. Um jogo antes, por coincidência, o atacante Rafael Oliveira também havia tido a mesma lesão, no mesmo gramado. O estádio de Caruaru, aliás, já havia feito outra vítima dois anos antes: o meia Jefferson Renan. Na temporada de 2015, além do meia, o volante João Ananias e o atacante Ronny (jogou apenas 20 minutos com a camisa alvirrubra) também sofreram o mesmo tipo de lesão. 

No ano seguinte, em 2016, o volante Niel se lesionou no primeiro semestre, durante o jogo contra o Vitória da Conquista, pela Copa do Brasil. O prata da casa alvirrubro sofreu com repetidas lesões depois e ficou sem jogar por quase quatro anos. Na mesma temporada, já na Série B, foi a vez do atacante Taiberson romper o ligamento do joelho. Voltando para 2014, outras duas vítimas: o zagueiro Luiz Alberto e o meia Pedro Carmona, que vivia grande fase com a camisa alvirrubra. O defensor é o único jogador da lista que não precisou passar por cirurgia, já que o rompimento foi parcial, mesmo assim ficou de molho por quatro meses.

Enfim, o ano de 2012 foi o que mais deixou o torcedor alvirrubro traumatizado, com quatro jogadores lesionados da mesma maneira. O primeiro deles e de forma mais cruel, foi o atacante Rogério, hoje no Ceará. O jogador sofreu uma entrada violentíssima do lateral-direito Maneco, do América-PE. Também no Campeonato Pernambucano, o meia Cascata se contundiu no clássico contra o Santa Cruz. Já com histórico desse tipo de lesão, o volante Ramirez sofreu novamente com o problema no meio da temporada. Por fim, durante a Série A, foi a vez do meia Rogerinho romper o ligamento do joelho.

HISTÓRICO DE LESÕES

2020 - Álvaro e Matheus Carvalho

2019 - Camutanga

2018 - Sem lesão de ligamento no joelho

2017 - Rafael Oliveira e Gilmar

2016 - Niel e Taiberson

2015 - Jefferson Renan, Ronny e João Ananias

2014 - Luiz Alberto e Pedro Carmona

2013 - Sem lesão de ligamento no joelho

2012 - Rogério, Cascata, Ramirez e Rogerinho

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias