Natação

"Passei pela água mais tenebrosa de todas do esporte", desabafa Cielo

Nadador brasileiro absolvido de culpa por ter usado substância proibida dis que não mudará postura

Miguel Rios
Miguel Rios
Publicado em 04/08/2011 às 20:44
Nadador brasileiro absolvido de culpa por ter usado substância proibida dis que não mudará postura FOTO:
Leitura:

O nadador brasileiro Cesar Cielo foi pego no antidoping pelo uso da substância furosemida durante o troféu Maria Lenk, mas recebeu apenas uma advertência do Tribunal Arbitral do Esporte e conquistou duas medalhas de ouro no Mundial de Xangai, na China. Apesar do susto, o campeão mundial dos 50m livre e borboleta não pretende mudar sua postura em relação ao uso de suplementos.

"Sempre me considerei um exemplo em relação a isso, então a mudança é muito pouca. Eu passei pela água mais tenebrosa de todas do esporte. Sou um cara mais preparado para qualquer tipo de situação. Durante todo o tempo, mesmo apreensivo e com todo o stress, acreditei que essas duas medalhas estariam aqui", garantiu.

O atleta do Flamengo mostrou irritação quando os repórteres utilizaram o termo absolvição. Ele fez questão de frisar que a advertência recebida da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos e do TAS foi, sim, uma punição.

Ele contou que sentiu o clima pesado em Xangai. Publicamente, outros nadadores como o sul-africano Roland Schoeman, medalhista olímpico em Atenas-2004, o francês Alain Bernard, um dos grandes rivais do brasileiro, e o norte-americano Michael Phelps, detentor de 16 medalhas olímpicas, o criticaram.

"Eu senti o clima pesado, mas da forma boa. As duas medalhas falam mais que qualquer coisa. Eu entro na prova desconectado de tudo que está acontecendo", contou.

Cielo também garantiu que nunca teve medo de perder seus patrocinadores, apesar de uma possível punição mais dura pelo antidoping. "Graças a Deus, tenho parceiros e não patrocinadores. Eu contactei todos e eles fizeram o máximo para ajudar no que podiam. Minha preocupação não era essa, mas fazer a verdade aparecer. Eles estão firmes e fortes comigo até o fim dos contratos", concluiu.

Cielo confirmou que vai nadar o Pan-americano do México, marcado para outubro. Campeão dos 50m borboleta e livre em Xangai, o nadador do Flamengo poderia preferir descansar após o Mundial da China. "Pretendo fazer o programa da seleção brasileira no Pan-Americano. A competição mais relaxada é a mais difícil. Os americanos, mesmo não mandando o melhor time, vai ter algum perigoso, além de alguns canadenses", completou.

Ele pretende defender as medalhas de ouro conquistadas no Pan do Rio de Janeiro, em 2007, disputar o Troféu José Finkel, também no segundo semestre, e então pensar apenas nas Olimpíadas. No Mundial de Xangai, ele foi bicampeão dos 50m livre, mas apenas quarto lugar nos 100m. Apesar de não ter conseguido defender o título, ele ficou satisfeito com o resultado.

"Se eu tivesse chegado em sexto, ficaria feliz do mesmo jeito. Eu era franco favorito na prova e estava fora do meu alcance aquela marca (47s63 do australiano James Magnussen). Acho que ser quarto do mundo é uma coisa muito boa e adiciona um grande resultado à minha carreira", comentou.

Ele apontou o campeão mundial, o australiano James Magnussen, como um dos favoritos para os 100m nas Olimpíadas, assim como o canadense Brent Hayden, segundo colocado. Cielo também vê o revezamento 4x100m livre do Brasil em evolução. "Não sei se vai dar medalha, mas vamos brigar por uma posição boa na final", encerrou.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias